Recently Added Videos

With new streaming services in the pipeline, Walt Disney is trying to set itself up for a future without any dependence on Netflix.

The entertainment giant announced it would launch two streaming services of its own. One would be for films and TV shows and the other one for sports, the company added in a move that some analysts viewed as one of the boldest measures by an entertainment firm to adapt to a rapidly changing media landscape.

The company said it was starting its own streaming service for its Disney and Pixar brands that would allow it to bypass cable firms and Netflix with a view to charging consumers directly for access to its popular movies.

Market experts said this was important as the decline in cable households and the shift to smaller bundles pressured the profitability of Disney’s cable networks.

Moving with the times

Disney announced it would not deliver any new projects to Netflix starting 2019, thus ending an exclusive movie deal with the company.

Disney’s ESPN sports service is coming in early 2018 and is to air baseball, hockey and soccer games as well as tennis matches and college sports through a mobile app. Notably, ESPN will not be streaming professional football or basketball, at least initially.

“Ultimately, we envision this will become a dynamic sports marketplace that will grow and be increasingly customizable, allowing sports fans to pick and choose content that reflects their personal interests,” Disney CEO Robert Iger said in a conference call with analysts.

Disney made the streaming announcements Tuesday while reporting quarterly earnings. The company’s operating profit dropped by 10 percent to $4 billion (3.4 billion euros) in the third quarter ending July 1.

Media networks, studio entertainment and consumer products all posted reduced revenues.

  • Bambi turns 75

    Bambi is born

    One of the top 10 movies of all time according to the American Film Institute, Disney’s “Bambi” was released 75 years ago on August 9, 1942. With its realistic representation of forest creatures, it was considered an animated masterpiece, one whose messages of respecting your natural surroundings continue to affect audiences today.

  • Bambi turns 75

    Getting it right

    The movie’s release was long delayed; some film critics at the time said it was due in large part to Disney’s perfectionism. “I wouldn’t hurry. I wanted it right,” Disney reportedly said in an interview. Getting it right included bringing two fawns – gifted by the Maine Development Commission – to the studio. The artists studied the deer in order to render them more accurately.

  • Bambi turns 75

    Difficulties drawing deer

    Great pains were taken by the animators to ensure the animals remained life-like even as they took on human qualities. Deer are one of the most difficult animals to draw due to the placement of their eyes on the sides of their heads. Moving their mouths to speak likewise proved difficult. Maybe that is why there are less than 1,000 words spoken in the 70-minute feature.

  • Bambi turns 75

    Based on an Austrian novel

    First released in 1923 in Austria, the book “Bambi: A Life in the Woods” by Felix Salter was originally written for adults and features a plot filled with murder and sex. Adapting the book for an audience of children meant rewriting most of the story. While the movie diverges heavily from the original book, its environmental messages remain clear. Pictured is a film poster from the 1942 release.

  • Bambi turns 75

    ‘Man … was in the forest’

    Disney intentionally chose to leave the villain off screen, as this poster featuring the main characters shows. While no humans appear on screen, the effect of humans’ behavior is felt; the most suspenseful parts of the film come when Man has appeared off stage, inciting fear in the forest creatures. The not-too-subtle message: Human behavior influences the natural world, to catastrophic end.

  • Bambi turns 75

    A fire mascot

    The movie was ahead of its time in drawing attention to man-made environmental devastation. A catastrophic fire sweeps through the forest in which they live, sending the animals running for their lives, as seen here in this poster. After its release, the movie, its protagonist and its music have served the pubilc interest and have been used repeatedly in fire safety messages.

  • Bambi turns 75

    Finding his legs

    Fitting with the film’s coming-of-age storyline, one unforgettable scene shows Bambi sprawled out on ice, struggling to get on his feet. The young fawn’s hooves fail to grip and ensuing tumble offers more than a few laughs. Bambi maintains his childlike demeanor throughout the movie, in large part due to Disney’s decision to have children voice the characters to make them more lifelike.

  • Bambi turns 75

    Twitterpating: the circle of life

    “Bambi” traces the year’s seasons and explains the circle of life in doing so. Come springtime, the animation grows more colorful as it shows the meadows in bloom. The forest is awash with animals looking to mate and Bambi, Thumper and Flower learn about romance – or Twitterpating – from Owl. Bambi meeting his future love in the spring, however, is a bit of fiction: Whitetail deer rut in autumn.

  • Bambi turns 75

    A tragedy for children

    The coming-of-age story tracing Bambi’s earliest year is also listed as one of the top 10 saddest children’s movies. Following the book’s plot, the fawn encounters hunters and learns to fear humans as a result. His mother is later killed by one. After determining the plot too grim for a children’s audience, the characters of Thumper the Rabbit and Flower the Skunk were added for comic relief.

  • Bambi turns 75

    Alone in the woods

    Throughout the movie, the young fawn is faced with challenges that increasingly have him learning the independence he’ll need to get through life later without his mother. The anxiety he feels in this scene after the two get separated in a snowy woods had a lasting effect on audiences. Many adults who saw the movie as chidlren refuse to watch it again despite no violence occurring on screen.

  • Bambi turns 75

    A musical masterpiece

    Like Disney’s musical groundbreaker, “Fantasia,” “Bambi” did away with sound effects, employing a full orchestra and choir to bring the action to life, including in this memorable rain storm scene. “Little April shower” provided the soundtrack to the animals running for cover, crescendoing as the storm increased in intensity. The movie received three Oscar nominations for its sound.

  • Bambi turns 75

    The prince of the forest

    On a day out to the meadow with his mother, Bambi encounters male deer for the first time. This large buck, known as the prince of the forest, is later revealed to be Bambi’s father and the young fawn understands that this will be what he grows into, once independent from his mother.

  • Bambi turns 75

    Transitioning to Manhood in ‘Bambi II’

    Though the original “Bambi” continued to draw millions in revenue decades after its release, Disney studios released a sequel in 2006 – “Bambi II.” With 64 years between the original and the sequel, it was the longest delayed follow-up in film history. In it, the young fawn is taken in by his father, the great prince of the forest, who shows him the ways of the world as he transitions into a buck.

    Author: Courtney Tenz


hg/jd (AP, dpa)

Article source: http://www.dw.com/en/disney-to-launch-its-own-streaming-services/a-40017690

TORINO – Ci sono passaggi simbolici che segnano un’epoca e Juventus-Chievo all’Allianz Stadium, anticipo della terza giornata di Serie A, potrebbe essere uno di questi. Massimiliano Allegri, che in estate ha visto Bonucci andare al Milan, potrebbe infatti schierare una Juventus senza nessuno degli interpreti dell’ormai mitica ‘BBC’, visto che Chiellini è ancora in infermeria e Barzagli dovrebbe essere tenuto a riposo per il debutto in Champions League contro il Barcellona in programma martedì al ‘Camp Nou’. Non solo, a riposo sarà tenuto anche Buffon mentre Marchisio è ancora infortunato e potrebbero dunque concretizzarsi due eventi che non si verificano da moltissimo tempo: l’ultima volta in Serie A senza ‘BBBC’ risale infatti alla sfida contro l’Udinese dell’aprile 2010, mentre è addirittura dal febbraio 2008 (nel match contro il Cagliari) che i bianconeri non si presentano senza ‘BBBC’ e al contempo senza Marchisio.

Serie A, le probabili formazioni

TOTO-CAPITANO – Se il ritorno al 4-3-3 e la probabile formazione trovassero conferma inoltre, con De Sciglio preferito a Lichtsteiner, in campo non ci sarebbe nessuno dei bianconeri vincitori degli ultimi sei scudetti consecutivi e lo juventino con più anzianità di servizio sarebbe Sturaro (a Torino da due stagioni e mezzo), seguito da Rugani e Mandzukic (2 stagioni) e poi da Higuain, Pjanic e Benatia (un campionato con la Juve già alle spalle) mentre i volti nuovi sarebbero quattro (il portiere Szczesny e poi De Sciglio, Matuidi e Douglas Costa). A questo punto ndiventa difficile anche capire chi farà il capitano al posto di Buffon.




 

Tags:
Serie A
, Juventus
, Chievo

Tutte le notizie di Juventus

Article source: http://www.tuttosport.com/news/calcio/serie-a/juventus/2017/09/09-30412293/juventus_senza_le_sue_leggende_segnali_di_una_nuova_era/

O estudo defende que as mulheres e os homens homossexuais tendem a revelar características e expressões típicas – das fixas, como os maxilares, nariz ou tamanho da testa; às conjunturais, como o penteado.

Embora o estudo apresente limites claros, devido a não terem sido incluídas pessoas negras, transgénero ou bissexuais, as implicações sobre a inteligência artificial são vastas, levantando questões relacionadas com as origens biológicas da orientação sexual, a ética da tecnologia de deteção facial e o potencial deste tipo de software para violar a privacidade das pessoas ou ser utilizado para fins anti-LGBT.

“É certamente inquietante. Como qualquer nova ferramenta, se cair nas mãos erradas, poderá ser utilizada para propósitos ilícitos”, afirmou Nick Rule, professor de psicologia da Universidade de Toronto, em declarações ao The Guardian.

“A inteligência artificial pode dizer qualquer coisa sobre qualquer pessoa, com os dados suficientes. A questão é: como sociedade, queremos saber?”, afirmou Brian Brackeen, diretor executivo da empresa de reconhecimento facial, Kairos, em declarações ao mesmo jornal.

Os autores do estudo avançam ainda que a inteligência artificial poderá ser utilizada para explorar as relações entre características faciais e outros fenómenos, como pontos de vista políticos, condições psicológicas ou até mesmo a personalidade.

Article source: http://www.dn.pt/sociedade/interior/inteligencia-artificial-e-mais-eficaz-a-adivinharorientacao-sexual-atraves-de-uma-foto-do-que-os-humanos-8756618.html

The worldwide members of ACE are Amazon, AMC Networks, BBC Worldwide, Bell Canada and Bell Media, Canal+ Group, CBS Corporation, Constantin Film, Foxtel, Grupo Globo, HBO, Hulu, Lionsgate, Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Millennium Media, NBCUniversal, Netflix, Paramount Pictures, SF Studios, Sky, Sony Pictures Entertainment, Star India, Studio Babelsberg, STX Entertainment, Telemundo, Televisa, Twentieth Century Fox, Univision Communications Inc., Village Roadshow, The Walt Disney Company, and Warner Bros. Entertainment Inc.

In recent years, the legal marketplace for creative content has grown exponentially, as film and television companies have invested heavily in digital distribution models. There are now more than 480 online services worldwide available for consumers to watch films and television programs legally on demand.

This tremendous growth of creativity also drives the economy. In the United States alone, the creative sector adds over $1.2 trillion to the economy and supports more than 5.5 million direct jobs each year.

However, as more creative content moves online, piracy poses a continuing threat to creators, consumers, and the economy. Films and television shows can often be found on pirate sites within days – and in many cases hours – of release. Last year, there were an estimated 5.4 billion downloads of pirated wide release films and primetime television and VOD shows using peer-to-peer protocols worldwide. There were also an estimated 21.4 billion total visits to streaming piracy sites worldwide across both desktops and mobile devices in 2016.

Piracy also puts consumers at risk. One in three pirate sites target consumers with malware that can lead to a range of problems including identify theft and financial loss, according to a December 2015 report by Digital Citizens Alliance.

By bringing together global creative companies producing all forms of content, ACE will expand ongoing, cooperative efforts to reduce the prevalence of online piracy. ACE will draw upon the global antipiracy resources of the Motion Picture Association of America (MPAA) in concert with the internal antipiracy expertise of the ACE coalition members. Specifically, ACE will conduct research, work closely with law enforcement to curtail illegal pirate enterprises, file civil litigation, forge cooperative relationships with existing national content protection organizations, and pursue voluntary agreements with responsible parties across the internet ecosystem.

For more information about ACE, visit www.alliance4creativity.com

Media contact/ACE spokesperson:
Zoe Thorogood 
UK: +44 7855 828391
US: +1 (202) 677-8732
zthorogood@apcoworldwide.com

ENDORSING STATEMENTS

“BBC Worldwide invests in, commercializes, and showcases content from the BBC around the world and champions British creativity globally. It is the lifeblood of our business and we must ensure that we do all we can to secure and protect it from theft and illegal distribution. The ACE initiative is hugely important at a time when content consumption habits are rapidly shifting and methods of piracy are becoming more and more sophisticated.” Martyn Freeman, General Counsel, BBC Worldwide

“Innovative and exciting new services are emerging that offer greater choice, quality, and convenience for legal and safe access to content, but illegal access to copyrighted content negatively impacts the entire content production industry. More needs to be done to recognize and protect the legitimate rights of content owners, producers, and distributors. This is why we are pleased to expand our anti-piracy initiatives through direct involvement with the ACE coalition.” Mirko Bibic, Chief Legal Regulatory Officer and Executive Vice President, Corporate Development, Bell Canada and Bell Media

“Creativity has been part of Canal+ Group’s DNA ever since the beginning. We have always encouraged it, and are proud to support many artists and new talents. Fortunately, we are living at a time when creativity is rich. But, in the meantime, it has never been so threatened by piracy, which is getting more and more organized, complex, and global. To face these new challenges, our industry must adapt its response and find a way to address issues that cannot be effectively handled at the local or regional level. In that respect, Canal+ Group is proud to be part of the ACE launch, an unprecedented worldwide coalition with significant resources. We believe it will be a key asset to strengthen our efforts to protect creativity.” Jean-Christophe Thiery, CEO, Canal+ Group

“In this golden age of content it’s more important than ever that we remain vigilant about copyright protection. For the creative community to truly flourish, it must know that its work will be safe from theft. That is why we are proud to be a part of ACE. We look forward to working with our fellow members to ensure that consumers continue to enjoy the programming they love for years to come.” Jonathan Anschell, Executive Vice President, Deputy General Counsel and Secretary, CBS Corporation

“Creativity is the center of our business and so is protection of copyrighted material and intellectual property. This unites us with artists and rights holders around the globe. We are a proud member of ACE in the fight against piracy and intellectual property theft. We would like to thank the MPAA for the support of their antipiracy expertise and resources in this important effort.” Martin Moszkowicz, Executive Chairman, Constantin Film

“Piracy is no longer just about the latest movie, it affects every form of creative programming, including new digital content and live events. To continue providing audiences in Latin America and around the world with the creative choices they crave, we must work collectively. We look forward to supporting the mission of ACE to protect the rights of creators and reduce online piracy.” Marcelo Bechara, Corporate Affairs and New Media Director, Grupo Globo

“At the intersection of media and technology lies creativity – and at Hulu, one of the most important things we can do to serve our viewers is support and protect that creativity. Despite all of the progress we’ve made as an industry, piracy continues to threaten the rights of the storytellers at the heart of the entertainment business. We are proud to be part of the ACE coalition and help strengthen the fight against content theft globally.” Chadwick Ho, SVP, General Counsel, and Corporate Secretary, Hulu LLC

“Online piracy of film and television content is not just a problem for large studios. Piracy drains resources from independent film and television production and threatens the jobs that are generated by filmmakers of all kinds. Since the independents’ ability to raise production financing relies on the health of the overall legitimate distribution network for creative content, copyright infringement and piracy not only undercuts the anticipated revenue from exploitation of a particular film or television program, it also severely impacts the ability to secure financing for future projects. IFTA is proud to support ACE, which promises to concentrate our industry’s efforts and strengthen our determination in the fight against online content theft.” Jean Prewitt, CEO and President, IFTA

“As an industry, we collectively aim to maximize access to, and choices for, audiences to engage with our content. To be successful, we must also play an active role in raising awareness about the detrimental effects of online piracy, as it increasingly jeopardizes the rights of content creators and impedes the creation of the films and television programming that consumers want to watch. This partnership with ACE will allow us to combat the growing threat of online piracy and protect the work of those creators, while ensuring the highest level of safety and quality viewing experiences for our consumers worldwide.” Lesley Freeman, Chief Legal Officer, Metro-Goldwyn-Mayer (MGM)

“Global piracy is not just a concern for one studio or creator, it undermines the foundation of the entire global entertainment sector. Meeting the challenges ahead will require more voices, greater collaboration, new ideas, and increased resources. ACE, with its broad coalition of creators from around the world, is designed, specifically, to leverage the best possible resources to reduce piracy. For decades, the MPAA has been the gold standard for antipiracy enforcement. We are proud to provide the MPAA’s worldwide antipiracy resources and the deep expertise of our antipiracy unit to support ACE and all its initiatives.” Senator Chris Dodd, Chairman and CEO, MPAA

“ACE will enhance our ability to reduce online piracy by maximizing the collective knowledge of its members and leveraging the world-class antipiracy operations of the MPAA. This united effort is an important step forward in our effort to protect creative content, promote the legal marketplace, and safeguard the viewing experience for our consumers worldwide.” Kimberley Harris, EVP and General Counsel, NBCUniversal

“While we’re focused on providing a great consumer experience that ultimately discourages piracy, there are still bad players around the world trying to profit off the hard work of others. By joining ACE, we will work together, share knowledge, and leverage the group’s combined anti-piracy resources to address the global online piracy problem.” David Hyman, General Counsel, Netflix

“Online piracy puts consumers at risk and threatens the wellbeing of the creative community. ACE will complement and help advance ongoing industry efforts against content theft, and we look forward to supporting its mission to promote a fair and safe marketplace for creators and audiences.” Rebecca Prentice, Executive Vice President and General Counsel, Paramount Pictures

“Collaboration, through bodies such as ACE, is critical in tackling this issue because piracy is illegal, unreliable, and risky.” Andrew Griffith, Group COO, Sky

“The theft and illegal distribution of copyrighted content impacts our business, the creative community, and the consumer viewing experience. As the landscape of the industry evolves, the range and threat of piracy expands with it. We look forward to working with our industry colleagues from around the globe to address this urgent issue.” Leah Weil, Senior EVP and General Counsel, Sony Pictures Entertainment

“Audiences across Latin America enjoy more legal choices for film and television content than ever before. However, the theft and illegal distribution of copyrighted content limits our ability to fuel this explosion of creative content and provide audiences with the film and television programs they want. We are proud to join ACE to promote creativity and reduce piracy – in our region and around the world.” Joaquín Balcárcel, General Counsel, Televisa

“Joining the Alliance for Creativity and Entertainment reinforces Univision’s commitment to safeguarding our market-leading assets and protecting our content. ACE will provide a platform for the Company to collaborate with industry partners as we work to address the challenges of online piracy and ensure that our consumers are able to access their favorite programming anytime, anywhere.” Jonathan Schwartz, Chief Legal and Corporate Affairs Officer, Univision Communications Inc.

“Nothing is more important or urgent for our industry than confronting the global challenge of piracy. Every day that passes, tens of thousands of our movies are being stolen and it is devastating. Through a concerted joint effort, we will protect creativity by impeding the operations of these illegal enterprises and by supporting the legal marketplace for content so consumers can safely enjoy the content of their choice.” Graham Burke, Co-Chairman and Co-CEO, Village Roadshow 

“ACE will help protect the viability of the creative community and ensure audiences continue to enjoy the high-quality content they have come to expect. It enhances our collective efforts to fight online piracy by disrupting the criminal enterprises that profit from the theft of copyrighted content, while promoting the legal market for that content, and ultimately gives consumers greater confidence that their viewing choices are not supporting unlawful activities.” Alan Braverman, Senior Executive Vice President, General Counsel and Secretary, The Walt Disney Company

“Fueled in large part by the explosion of new digital platforms, the creative sector supports more than 5.5 million direct jobs each year. By comprehensively working to reduce piracy, ACE will also work to protect the viability of high-quality creative jobs, as well as the network of local small businesses that service the industry all across the country.” John Rogovin, EVP and General Counsel, Warner Bros. Entertainment

To view the original version on PR Newswire, visit:http://www.prnewswire.com/news-releases/global-entertainment-companies-join-forces-to-launch-the-alliance-for-creativity-and-entertainment-to-reduce-online-piracy-300472720.html

SOURCE Alliance for Creativity and Entertainment

Article source: http://www.prnewswire.com/news-releases/global-entertainment-companies-join-forces-to-launch-the-alliance-for-creativity-and-entertainment-to-reduce-online-piracy-300472720.html

Graça Fonseca, secretária de Estado da Modernização Administrativa, assumiu publicamente ser homossexual em entrevista esta terça-feira ao “Diário de Notícias”, por considerar ser “importante” fazê-lo como “afirmação política”.

“As pessoas afirmarem publicamente que são homossexuais, não há muito quem o tenha feito. E acho que isso é importante”, explica.

“A questão de haver poucos deputados ou membros do Governo de um determinado grupo tem muito a ver com como é que olho para essas pessoas, como me relaciono com esse outro. E com que empatia. E acho que se as pessoas começarem a olhar para políticos, pessoas do cinema, desportistas, sabendo-os homossexuais, como é o meu caso, isso pode fazer que a próxima vez que sai uma notícia sobre pessoas serem mortas por serem homossexuais pensem em alguém por quem até têm simpatia. E se as pessoas perceberem que há um seu semelhante, que não odeiam, que é homossexual, isso pode fazer que a forma como olham para isso seja por um lado menos não querer saber se essas pessoas são perseguidas, por outro lado até defender que assim não seja. Mas mesmo que seja só deixar de não querer saber já é um ganho”, afirma a secretária de Estado.

Apesar de se tratar de algo da sua vida privada, Graça Fonseca entendeu que chegou o momento de falar em público porque a mudança de mentalidades não se faz apenas com leis, como as do casamento gay ou de mudanças à lei da adoção. “Porquê dizê-lo, então? Como é óbvio isto foi uma questão muito pensada. E na verdade não é uma questão da privacidade, é uma questão de identidade. Que é dizer “eu sou morena e tenho olhos verdes e sou isto”. Aquilo que se faz com ser morena e de olhos verdes é que é uma questão da tua vida privada. E a partir do momento em que se percebe que há questões de identidade que ainda hoje são fundamento de ações violentas e discriminação, quando se pensa sobre o que fazer – vou abrir ligeiramente a porta porque pode ter um impacto positivo ou não vou abrir porque não é comigo – há um equilíbrio difícil. Mas como acho que as leis não bastam para mudar mentalidades, não bastam para mudar a forma como olho para o outro, que aquilo que muda a forma como olhamos para os fenómenos tem muito que ver com empatia..”.

Hoje de manhã, partilhando no Facebook a sua entrevista ao DN que tem por título “Se calhar no PSD já ninguém liga muito a Passos Coelho”, Graça Fonseca escrevia: “Falámos de tudo, mesmo de tudo. Porque, afinal, tudo faz parte de uma única realidade, a vida. Neste caso, a minha vida. E a vida não é feita de títulos, leiam e perceberão porquê”.

Nas redes, aliás, sucederam de imediato os comentários a esta entrevista. Isabel Moreira, deputada do PS, escreveu que “o espaço público precisa de mais coragem, de mais Graças Fonsecas”, sublinhando que o PS é o único partido “em que em poucos anos ganhou o espaço necessário para acolher uma saída de armário de uma responsável pública, acrescendo a dois deputados”. Moreira refere-se ao ex-deputado Miguel Vale de Almeida e ao atual deputado Alexandre Quintanilha, que ocuparam cargos políticos depois de terem assumido publicamente serem homossexuais. “Não é uma questão de privacidade. É uma questão de identidade. O coming out da Graça. Uma mulher lésbica no governo. Muito bem”, acrescenta Isabel Moreira.

Article source: http://expresso.sapo.pt/politica/2017-08-22-Secretaria-de-Estado-assume-homossexualidade-com-declaracao-politica

Subscrever

O objetivo é criar algo semelhante ao Mês da História Negra ou ao Mês da História LGBT, períodos durante os quais são promovidas atividades pedagógicas e artísticas nas escolas, bibliotecas ou outros locais no Reino Unido sobre os respetivos temas.

Este ano, segundo a organização do Mês Amigo, haverá celebrações especiais dos respetivos dias nacionais por 15 comunidades nacionais e missões diplomáticas durante este período, que coincidirá com outras manifestações artísticas e festivais de cinema, música e teatro.

A origem da iniciativa remonta a 2008, quando foi feita uma campanha para reunir 10.000 assinaturas para que a minoria ibero-americana fosse reconhecida e um mês dedicado a celebrar as suas diferentes culturas.

Em 2010, o então Mayor de Londres, Boris Johnson, participou num encontro promovido pela então autodeterminada Aliança Luso-Hispânica e Ibero-Americana e manifestou abertura à ideia, que se concretizou no ano seguinte.

O lançamento oficial da edição de 2017 será feito na quarta-feira à noite num restaurante no bairro de Elephant Castle, onde existe uma numerosa comunidade latino-americana, com a presença de algumas personalidades, incluindo a vice-Mayor de Londres, Joanne McCartney.

A embaixada de Portugal estará representada, mas não pelo embaixador, e a missão diplomática de Moçambique em Londres só manifestou que iria participar depois de abordada pela agência Lusa.

A organização admite dificuldades em unir as diferentes comunidades para se envolverem e participarem, admitiu o peruano Isaac Bigio, um dos principais promotores da iniciativa, à Lusa.

“Havia latino-americanos que preferiam um Mês Hispano, como nos EUA e no Canadá. Alguns africanos lusófonos não concordavam com o termo ‘ibero-americanos'”, revelou.

A forma que encontrou para tentar um terreno comum foi a denominação “Amigo” para denominar o Mês dedicado à celebração das suas culturas.

“É a palavra estrangeira mais popular no Reino Unido e une as duas línguas”, justifica.

Isaac Bigio acredita que é importante que as autoridades britânicas continuem a reconhecer o evento, que espera que continue a crescer para o resto do país.

“Acho que em 2019, quando celebramos 500 anos desde que portugueses e espanhóis iniciaram a primeira volta ao mundo, vai estar implantado a nível nacional”, sublinhou.

Article source: http://www.dn.pt/lusa/interior/falta-de-uniao-entre-paises-de-lingua-espanhola-e-portuguesa-em-londres-ensombra-mes-amigo-8752146.html

Subscrever

Na competição de longas-metragens vão estar “As You Are”, de Miles Joris-Peyrafitte, “Beach Rats”, de Eliza Hittman, “The Beach House”, de Roy Dib, “Los Objetos Amorosos”, de Adrián Silvestre, “Pieles”, de Eduardo Casanova, “Looping”, de Leonie Krippendorf, “Close-Knit”, de Naoko Ogigami, e “Corpo Elétrico”, de Marcelo Caetano.

Na competição de documentários vão estar “Abu”, Arshad Khan, “Entre os Homens de Bem”, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros sobre o político brasileiro Jean Wyllys, “Homogeneous, Empty Time”, de Thunska Pansittivorakul e Harit Srikhao, “Au-delà de l’Ombre”, de Mezni Hafaiedh, “Small Talk”, de Hui-Chen Huang, “My Mother is Pink”, de Cecilie Debell, “The Strangest Stranger”, de Magnus Bärtås, e “Vivir y Otras Ficciones”, de Jo Sol.

Já nas curtas-metragens, a organização realça a presença portuguesa com “Où En Êtes-Vous, João Pedro Rodrigues?”, de João Pedro Rodrigues, “Coelho Mau”, de Carlos Conceição, “Os Humores Artificiais”, de Gabriel Abrantes, e Gonçalo Almeida, com “Phantom”, para além dos estrangeiros “My Gay Sister”, de Lia Hietala, e “Les Îles”, a última curta de Yann Gonzalez.

“Temos alguns títulos particularmente fortes. Foi um ano em que muitos destes filmes queer passaram por grandes festivais, por Cannes, Sundance, Locarno, o CPH:DOX”, explicou João Ferreira.

Questionado sobre o futuro do festival e do próprio cinema queer, João Ferreira recuperou a retrospetiva de Shu Lea Cheang para exemplificar o percurso e uma perspetiva de futuro: “É uma retrospetiva, mas são filmes que olham já para a frente. Filmes que nos fazem pensar no cinema queer no futuro. Isto a par de filmes novos que estão a quebrar as barreiras e a entrar nos festivais generalistas, europeus e americanos”.

“O futuro é difícil prever, mas acho que vai passar muito por este cruzamento disciplinar. A experiência vai ser cada vez menos a do cânone cinematográfico, da experiência de estar sentado na sala a ver um filme durante uma hora e meia. O próprio filme vai cruzar outras linguagens e a experiencia do espetador vai ser outra”, afirmou o diretor artístico do festival.

De acordo com João Ferreira, “o cinema queer é um cinema inevitavelmente político” e, numa altura em que as perspetivas políticas “não são muito boas”, “vai existir inevitavelmente uma reação e se calhar [vai haver] um cinema muito político de reação, mais interventivo, mais ativista”.

Além do Queer Lisboa, volta este ano a ser organizado o Queer Porto, de 04 a 08 de outubro.

Article source: http://www.dn.pt/artes/interior/queer-lisboa-vai-dedicar-retrospetiva-a-artista-shu-lea-cheang-8750118.html

Subscrever

O objetivo é criar algo semelhante ao Mês da História Negra ou ao Mês da História LGBT, períodos durante os quais são promovidas atividades pedagógicas e artísticas nas escolas, bibliotecas ou outros locais no Reino Unido sobre os respetivos temas.

Este ano, segundo a organização do Mês Amigo, haverá celebrações especiais dos respetivos dias nacionais por 15 comunidades nacionais e missões diplomáticas durante este período, que coincidirá com outras manifestações artísticas e festivais de cinema, música e teatro.

A origem da iniciativa remonta a 2008, quando foi feita uma campanha para reunir 10.000 assinaturas para que a minoria ibero-americana fosse reconhecida e um mês dedicado a celebrar as suas diferentes culturas.

Em 2010, o então Mayor de Londres, Boris Johnson, participou num encontro promovido pela então autodeterminada Aliança Luso-Hispânica e Ibero-Americana e manifestou abertura à ideia, que se concretizou no ano seguinte.

O lançamento oficial da edição de 2017 será feito na quarta-feira à noite num restaurante no bairro de Elephant Castle, onde existe uma numerosa comunidade latino-americana, com a presença de algumas personalidades, incluindo a vice-Mayor de Londres, Joanne McCartney.

A embaixada de Portugal estará representada, mas não pelo embaixador, e a missão diplomática de Moçambique em Londres só manifestou que iria participar depois de abordada pela agência Lusa.

A organização admite dificuldades em unir as diferentes comunidades para se envolverem e participarem, admitiu o peruano Isaac Bigio, um dos principais promotores da iniciativa, à Lusa.

“Havia latino-americanos que preferiam um Mês Hispano, como nos EUA e no Canadá. Alguns africanos lusófonos não concordavam com o termo ‘ibero-americanos'”, revelou.

A forma que encontrou para tentar um terreno comum foi a denominação “Amigo” para denominar o Mês dedicado à celebração das suas culturas.

“É a palavra estrangeira mais popular no Reino Unido e une as duas línguas”, justifica.

Isaac Bigio acredita que é importante que as autoridades britânicas continuem a reconhecer o evento, que espera que continue a crescer para o resto do país.

“Acho que em 2019, quando celebramos 500 anos desde que portugueses e espanhóis iniciaram a primeira volta ao mundo, vai estar implantado a nível nacional”, sublinhou.

Article source: http://www.dn.pt/lusa/interior/falta-de-uniao-entre-paises-de-lingua-espanhola-e-portuguesa-em-londres-ensombra-mes-amigo-8752146.html

Subscrever

Na competição de longas-metragens vão estar “As You Are”, de Miles Joris-Peyrafitte, “Beach Rats”, de Eliza Hittman, “The Beach House”, de Roy Dib, “Los Objetos Amorosos”, de Adrián Silvestre, “Pieles”, de Eduardo Casanova, “Looping”, de Leonie Krippendorf, “Close-Knit”, de Naoko Ogigami, e “Corpo Elétrico”, de Marcelo Caetano.

Na competição de documentários vão estar “Abu”, Arshad Khan, “Entre os Homens de Bem”, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros sobre o político brasileiro Jean Wyllys, “Homogeneous, Empty Time”, de Thunska Pansittivorakul e Harit Srikhao, “Au-delà de l’Ombre”, de Mezni Hafaiedh, “Small Talk”, de Hui-Chen Huang, “My Mother is Pink”, de Cecilie Debell, “The Strangest Stranger”, de Magnus Bärtås, e “Vivir y Otras Ficciones”, de Jo Sol.

Já nas curtas-metragens, a organização realça a presença portuguesa com “Où En Êtes-Vous, João Pedro Rodrigues?”, de João Pedro Rodrigues, “Coelho Mau”, de Carlos Conceição, “Os Humores Artificiais”, de Gabriel Abrantes, e Gonçalo Almeida, com “Phantom”, para além dos estrangeiros “My Gay Sister”, de Lia Hietala, e “Les Îles”, a última curta de Yann Gonzalez.

“Temos alguns títulos particularmente fortes. Foi um ano em que muitos destes filmes queer passaram por grandes festivais, por Cannes, Sundance, Locarno, o CPH:DOX”, explicou João Ferreira.

Questionado sobre o futuro do festival e do próprio cinema queer, João Ferreira recuperou a retrospetiva de Shu Lea Cheang para exemplificar o percurso e uma perspetiva de futuro: “É uma retrospetiva, mas são filmes que olham já para a frente. Filmes que nos fazem pensar no cinema queer no futuro. Isto a par de filmes novos que estão a quebrar as barreiras e a entrar nos festivais generalistas, europeus e americanos”.

“O futuro é difícil prever, mas acho que vai passar muito por este cruzamento disciplinar. A experiência vai ser cada vez menos a do cânone cinematográfico, da experiência de estar sentado na sala a ver um filme durante uma hora e meia. O próprio filme vai cruzar outras linguagens e a experiencia do espetador vai ser outra”, afirmou o diretor artístico do festival.

De acordo com João Ferreira, “o cinema queer é um cinema inevitavelmente político” e, numa altura em que as perspetivas políticas “não são muito boas”, “vai existir inevitavelmente uma reação e se calhar [vai haver] um cinema muito político de reação, mais interventivo, mais ativista”.

Além do Queer Lisboa, volta este ano a ser organizado o Queer Porto, de 04 a 08 de outubro.

Article source: http://www.dn.pt/lusa/interior/queer-lisboa-vai-dedicar-retrospetiva-a-artista-shu-lea-cheang-8750063.html

His productions have a cult reputation and his energy is contagious. As manager and artistic director of Berlin’s Comic Opera, he’s already scaled heights others only dream of and inspires both the public and the critics. The native Australian is ready to turn his hand to anything: Monteverdi, Mozart, even Broadway musicals. He shows how sexy the unsung operetta genre can be and how to stage a Germanic classic work such as the “Mastersingers of Nuremberg” as a wake-up call against anti-Semitism and xenophobia. What drives him? Where does he get his ideas from?

Arts.21 talks to Barrie Kosky about Wagner, great opera, his Jewish roots – and, of course, about his chosen home, Berlin!

Article source: http://www.dw.com/en/arts21-curtain-up-for-barrie-kosky/av-39980568


The late J. Otis Powell.

Poet, playwright, and overall multi-talented artist J. Otis Powell died on Monday, August 28. Powell was 61 years’ old, and had been awarded a Sally Ordway Irvine Award for Commitment just five days prior. He had struggled with ill health, and received a kidney transplant several

Article source: http://twincitiesarts.com/?2t19r=1741409564

Subscrever

O jornal precisa que a ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Chrystia Freeland, que foi jornalista correspondente na Rússia, teve um papel importante nesta operação.

A chefe da diplomacia australiana considerou, em abril, que as informações “recentes e contínuas que dizem respeito a perseguições de homens homossexuais e bissexuais indicam uma situação reprovável”.

As autoridades canadianas não comentaram o anúncio da Rainbow Railroad sobre o programa, que foi mantido secreto durante vários meses.

Powell disse ao jornal Globe que é necessário tratar da instalação e integração dos refugiados ao Canadá, o que torna necessário falar sobre este programa.

A Rainbow Railroad, fundada em 2006, tem como objetivo ajudar pessoas LGBT a fugir de perseguições perpetradas pelos estados, de acordo com a sua página na internet.

Article source: http://www.dn.pt/lusa/interior/canada-da-asilo-a-mais-de-30-homossexuais-chechenos-vitimas-de-perseguicao-8744821.html

Subscrever

O jornal precisa que a ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Chrystia Freeland, que foi jornalista correspondente na Rússia, teve um papel importante nesta operação.

A chefe da diplomacia australiana considerou, em abril, que as informações “recentes e contínuas que dizem respeito a perseguições de homens homossexuais e bissexuais indicam uma situação reprovável”.

As autoridades canadianas não comentaram o anúncio da Rainbow Railroad sobre o programa, que foi mantido secreto durante vários meses.

Powell disse ao jornal Globe que é necessário tratar da instalação e integração dos refugiados ao Canadá, o que torna necessário falar sobre este programa.

A Rainbow Railroad, fundada em 2006, tem como objetivo ajudar pessoas LGBT a fugir de perseguições perpetradas pelos estados, de acordo com a sua página na internet.

Article source: http://www.dn.pt/lusa/interior/canada-da-asilo-a-mais-de-30-homossexuais-chechenos-vitimas-de-perseguicao-8744821.html

Subscrever

Acho que sim. Não sou muito efusiva em geral e isso traduz-se na forma como me comporto socialmente e politicamente.

Há dois anos, disse ao Expresso: “A forma que se permite aos homens e às mulheres é uma questão politica: eles são aguerridos, elas são histéricas. (…) O que me é exigido em termos de razoabilidade e de calma não é exigido à maior parte dos homens.” De que modo é que a noção que tem disto condiciona a forma como fala?

É natural em mim mas também percebo que sendo natural é uma vantagem. Porque não é permitido a uma mulher exaltar-se, levantar a voz e se o fizer tem de ser de uma forma muito específica. E a verdade é que isso aos homens é permitido. Não me parece que faça um esforço particular mas tenho consciência disso o tempo todo.

Já admitiu que grande parte do seu êxito na comissão de inquérito ao BES se deve ao facto de ser mulher e jovem, surpreendendo as pessoas com a sua calma e preparação. Mas há outra coisa: ser bonita. Sente a importância disso?

É uma pergunta difícil, porque a consciência do ser-se bonito vem normalmente de fora. E na verdade não tinha essa consciência até ser confrontada com o que as pessoas pensavam. Nunca tive a consciência de ser uma pessoa particularmente bonita. E apercebo-me de que isso é uma possibilidade a partir do momento em que fora de mim isso é falado. E que isso aparece como um fator. É uma coisa à qual não ligo especial importância, é o que é, mas percebo que tudo conta quando te expões publicamente, sobretudo sendo mulher. Porque nunca é assunto se os políticos homens são bonitos ou não; só se for um homem particularmente bonito. Se não for bonito é só um político. E nas mulheres essa avaliação é feita à partida, não há nenhuma naturalização como há nos homens. Isso vai condicionar a forma como te olham.

E eventualmente a forma como as mulheres aceitam expor-se.

Não sei se esse fator por si só condiciona a decisão de uma mulher. O que sei é que aceitam uma série de outras exigências com as quais um homem não tem de lidar. Começa pela roupa, pelo cabelo. Não consigo dizer o número de vezes que tenho de lidar, mesmo internamente, com opiniões sobre o meu cabelo e a minha roupa. Porque uns querem o cabelo solto, outros querem apanhado, porque acham que estou muito maquilhada, pouco maquilhada, que a minha roupa é x ou devia ser y. E não vejo essa pressão sobre os homens.

Diz “sempre fui muito maria rapaz. Nunca gostei que m colocassem no papel de menina.” Mas foi nesse papel que se sentiu ao entrar na AR: “Tratada com condescendência e superioridade”. Como se reage a isso?

Quando é muito óbvio o que me acontece é ser mais agressiva no debate, ainda mais confrontacional. Mas nem sempre é muito óbvio, e quando não é muito óbvio é mais difícil.

Até porque se reagir a isso de uma forma muito irritada está de alguma forma a validar um estereótipo.

Sim. E é por isso que é sempre uma armadilha. Porque ou se tem de trabalhar mais para provar que se está ali por outras razões que não… Ou se se reagir está-se a validar a ideia da histeria, porque ninguém vai compreender e toda a gente vai criticar, até porque há uma enorme condescendência social com a condescendência dos homens em relação às mulheres, a maior parte das vezes as pessoas nem percebem o que se está a passar, acham que é banalíssimo e não há nenhuma razão para a irritação.

Assunção Cristas acha que Costa a tratou com desrespeito ao tratá-la por “aquela senhora”. Tem razão?

Não vi. Não quero falar sobre algo que não vi ou ouvi. Tenho alguma dificuldade em avaliar quando é que “aquela senhora” é condescendente e quando não é. Porque se diz sempre “a senhora Merkel” e às vezes “o senhor Hollande”, às vezes só “Hollande”.

Ninguém diz “o senhor Trump”.

Ninguém diz. Que possa haver no uso da expressão uma condescendência muito internalizada e muito impercetível, não nego. Mas depois se é um ato de condescendência ou não depende do tom da forma e contexto. Mas uma coisa é verdade, e não ganhamos nada em negá-la: continua a haver, e é transversal nos partidos políticos, muita condescendência dos homens em relação às mulheres. E que se encontra em todas as bancadas, certamente é verdade. O assunto existe, é real.

Como viu, a propósito, a polémica dos cadernos da Porto Editora?

Sinceramente não percebo porque é que é uma polémica. Não podemos dizer à boca-cheia que não somos sexistas, que queremos uma sociedade livre de sexismo e depois ser altamente permissivos com todas as formas de sexismo, nomeadamente a reprodução de papéis de género que estão na base do sexismo, ainda mais em materiais educativos para crianças de quatro a seis anos. Ou somos brutalmente exigentes com a democracia que queremos ter, sobretudo na educação, ou continuamos a permitir a reprodução destes estereótipos e não podemos querer depois que a sociedade mude. Para mim é tão óbvio isto. Para mim não tem nada a ver com a liberdade de expressão, não tem nada a ver com liberdade literária, artística, de produção, nada a ver. Estamos a falar de materiais educativos. Não é liberdade ter material educativo que seja sexista; não, não é. Tal como não é liberdade ter material educativo que seja racista. Porque nós assumimos enquanto sociedade, e inscrevemos isso na Constituição, e em várias leis e convenções internacionais, que a sociedade em que queremos viver não é racista nem sexista.

Concorda com a recomendação da CIG para a retirada dos materiais, que a Porto Editora acatou?

Lá está: lamento que isto tenha de ser uma polémica. Se a CIG existe tem de ter um papel ativo. E acho que cumpriu o seu papel: identificou material educativo com elementos sexistas e recomendou que fosse retirado. Para que crianças de quatro anos não fossem expostas a um material que achamos que não cumpre os critérios. Se aquele material fosse racista acho que não havia esta polémica. Incomoda-me quando se usa a questão da liberdade de expressão e da liberdade de sociedade para tentar manter opressões. “Porque eu tenho liberdade de ser sexista” – não, não, desculpa, não tens.

Bom, sexista pode-se ser.

Não vou prender ninguém por ser sexista, tem-se a liberdade de o ser. Mas há uma diferença entre a liberdade de ser e a de exercer. E há formas de sexismo que temos de, coletivamente, contrariar – se for isso que decidimos. Se a decisão é continuar a ter uma sociedade sexista, é outra a conversa.

O BE esteve muito calado sobre isto.

Não sei. Se calhar estavam outras matérias em cima da mesa, pode ter sido uma questão conjuntural. Se há campo onde o BE não costuma estar muito calado e onde não tememos polémicas é neste.

Outra polémica na qual se notou o silêncio do BE foi a da assunção da secretária de Estado Graça Fonseca como homossexual. É uma ativista dos direitos LGBT; como viu isso e o debate que se seguiu?

Quem diz que não é importante e usa a célebre frase “eu também não vou para a rua dizer que sou hetero” – bom, para já vão, e toda a gente assume que se é hetero, portanto não há necessidade de dizer… É lógico que essa afirmação é importante para que a sociedade avance e desconstrua preconceitos e nesse sentido acho que o ato da Graça é corajoso e é importante politicamente.

Há quem diga que o chamado “politicamente correto”, o discurso pela igualdade, de afirmação identitária das minorias, é responsável por fenómenos como Trump e Brexit.

Não tenho nenhuma dúvida de que há uma reação contra os discursos pela igualdade e identidade das minorias. O conservadorismo mexe, defende-se, ataca, reage. É normal que encontre os seus protagonistas e as suas formas de sobrevivência. Mas acho que aquilo a que assistimos advém de um conservadorismo que sempre existiu aliado a problemas económicos – na sequência da crise, da desilusão com o desempenho económico, do aumento das desigualdades, da pobreza, da precariedade. Tudo isto cria uma sopa, um manancial enorme que é fácil ser explorado e que normalmente é explorado pelas forças mais conservadoras – o conservadorismo que emerge muito frequentemente quando as pessoas sentem que o sistema não lhes dá resposta. E acho que isso é muito claro no caso dos EUA e de Trump. E quem olhar para a Europa e para os EUA com um bocadinho de cuidado verá muitas red flags [sinal de perigo] a abanar, não só por causa da xenofobia, racismo, por causa da regressão dos direitos, mas também por causa do ressurgimento da guerra, que nunca acabou mas hoje parece mais evidente.

Portugal não é xenófobo e racista ou não houve até agora uma força política que explorasse esse filão?

Portugal é xenófobo e racista, embora goste de viver na ilusão e na narrativa de que não o é, ou de que o é de forma mais suave que noutros países, coisa que não me parece sequer que seja verdade – pode ser uma xenofobia ou racismo mais velado ou menos orgulhosamente exibido – mas a verdade é que está lá, da violência policial aos guetos, à falta de representação e representatividade de uma série de comunidades que existem, existem há muitos anos e são muito importantes em Portugal. E portanto que é xenofobia racista não há nenhumas dúvidas. Por que é que não há um partido de extrema-direita em Portugal ou cujo grande programa político seja uma base racista e xenófoba? Acho que há vários motivos para isso. Há uma base muito consolidada histórica do Partido Comunista – e o Bloco também tem esse papel – absorvendo muito do descontentamento das pessoas e não deixando descambar para bodes expiatórios mais fáceis. A esquerda tem esse papel importante e o facto de haver uma esquerda à esquerda do PS consolidada em Portugal ajudou nisso. Acho que a extrema-direita não tem protagonistas para o fazer, e por isso há um PNR que é felizmente irrelevante, e dentro do sistema o aproveitamento que se faz dos temas racistas e xenófobos é oportunístico. O CDS vai lá às vezes – foi lá quando Portugal tinha muito mais imigrantes do que tem hoje, em 2006, 2007, lembramo-nos das campanhas do CDS contra a imigração, contra o RSI -; e vemo-lo agora no PSD, que percebendo que fora de Portugal há uma oportunidade em certo tipo de discurso, começou com um discurso anticiganos aberto e despudorado num candidato autárquico e depois com declarações de Passos Coelho sobre a lei da nacionalidade, com a história de “não pode entrar qualquer pessoa, temos de ser seletivos”, como se Portugal não tivesse enviado toda e qualquer pessoa para todos os países possíveis e imagináveis, não é?

Com o recente ataque em Barcelona vimos Portugal a preparar-se visivelmente, com a colocação de barreiras nas zonas pedonais. Como vê esta quase banalidade do terrorismo na Europa?

Já houve outros tempos em que a Europa teve mais terrorismo, talvez. É um fenómeno muito complexo, porque mexe com aquilo que nos é mais caro – a segurança, a liberdade. É uma daquelas matérias em que temos de ser muito racionais, e não nos deixarmos levar pelos instintos mais básicos, da proteção a todo o custo. Porque na verdade isso nem sempre é proteção. E há muitas formas de olhar para a questão do terrorismo. A primeira, que me parece importante, é que precisamos de proteção e segurança, é óbvio, mas quando deixamos que essa necessidade de proteção e segurança mexa com a nossa liberdade, a liberdade que queremos para a sociedade, estamos a dar pontos a quem nos ataca. A entrar num jogo de restrição de liberdades que nos tornam se calhar muito menos parecidos com a sociedade que afirmamos querer defender. E por isso acho que é preciso sangue frio para não ceder a esse medo que nos querem impor, porque não podendo invadir territorialmente invade-se maximizando o alcance e os estilhaços de cada ato e tornando-o tão mediático quanto possível… E isso cria uma ideia de permanente insegurança e permanente terror que é o que eles querem. E essa batalha é difícil de ganhar e entendo que ela não se ganha colocando cidades inteiras em estado de sítio nem populações inteiras sob vigilância permanente.

Foi notícia há muito pouco tempo que PGR e MAI admitem que as câmaras de vigilância de rua gravem som. Como olha para isso?

Olho a partir de 1984. Acho que não podemos permitir uma invasão de liberdade desse nível. Para já, a existência de câmaras de vigilância na rua, para começar, é uma matéria que não me parece que devêssemos aceitar. E depois estar permanentemente a ser vigiado com a possibilidade de estarem a ouvir as nossas conversas pessoais e privadas… Ultrapassa qualquer limite do razoável. Não entendo em que é que a segurança aumenta com ouvir as conversas na rua. A questão aqui é básica: os cidadãos não devem admitir que na cidade onde vivam estejam a ser controlados 24 horas por dia. Isto mexe com princípios básicos de liberdade de movimento, de expressão, de direito ao anonimato, à privacidade. Não devemos permitir isto. Quando se abre esta porta onde é que se fecha?

Que tipo de regime defende para Portugal? Há ou houve algum no mundo que esteja perto do que almeja? Por outras palavras, como seria Portugal governado pelo BE?

Não gosto de fazer esses exercícios porque a história é dinâmica e dialética e as sociedades também. Não se criam sociedades em laboratório, são sempre produto de muitas transformações, e uma sociedade em que o BE tivesse maioria seria necessariamente uma sociedade diferente da que existe hoje. Portanto é difícil para mim imaginar o que é um regime perfeito. Há critérios que acho que são importantes e norteiam um bocadinho a ação política do BE: justiça fiscal, controlo sobre setores estratégicos da economia, liberdades individuais. Há todo um conjunto de matérias que são conhecidas, e são programa do Bloco, e que acho que aproximariam muito Portugal de um projeto ou um ideal, caro à esquerda, de justiça e desenvolvimento social e económico. Mas não quero fazer comparações porque não defendo nenhum regime – para já não defendo nenhum regime dos chamados ditos do “comunismo real”.

Existe algum?

Não. Acho que todos eles deixaram há muito tempo o que seria sequer um ideal, quanto mais real. Angola não é um sítio que respeite sequer princípios de democracia, China não é, Cuba não é, a Venezuela tem dado passos muito perigosos para deixar de ser…

Alguma vez foi?

Acho que teve momentos. Houve um programa que quando existiu desafiava muito os poderes instalados, a interferência externa que existe e sempre existiu dos EUA na Venezuela e na América Latina em geral, que desafiava muito as grandes corporações e multinacionais . E grande parte da oposição que o governo da Venezuela teve desde o início, no princípio do Chavez, tem a ver com ter desafiado os poderes instalados e ter querido de facto mudar alguma coisa em favor da população da Venezuela.

Mas havia ali desde o início uma tentação autocrática muito grande.

Mas eu não julgo tentações, julgo atos. E acho que apesar de tudo houve avanços muito importantes no programa de Chavez, em termos de literacia, de retirada de pessoas da pobreza – é preciso perceber o que eram estes países antes. E o que foram sob domínio estrangeiro e das multinacionais, como as pessoas viviam. O problema começa quando não se rompe com a corrupção do Estado. E não se rompe com a monocultura do petróleo – e isso é o princípio do fim, depois agudizado quando perante uma crise de legitimidade económica e social, a resposta de Maduro, já não de Chavez, é autoritária e de restrição de liberdades – e isso é a tal tentação que não é admissível. E para acabar a resposta sobre se acho que há um algum regime… A tendência que há para sacrificar a democracia em nome dos amanhãs que cantam é o princípio da destruição dos amanhãs que cantam. Portanto nada e em nada a democracia pode ser sacrificada. E se eu tenho um projeto para o país ele terá de ser sempre um projeto maioritário. Se não é um projeto maioritário, não é um projeto que sirva o país. E isso tem de ser ponto assente. Mas não há, e não é bom haver, uma cartilha artificial, digamos assim.

A que ponto a debacle do Syriza e lição de realismo que implicou foi importante na decisão do BE de viabilizar um governo do PS?

Acho que o Syriza e o Bloco estavam em situações muito diferentes, para começar. E acho que pelo contrário, o que aconteceu ao Syriza não demonstrou ao Bloco que se deveria conformar e ser realista e existir dentro do quadro. Acho que demonstrou ao Bloco a verdadeira natureza das instituições europeias e a forma como só poderemos de facto ter um programa transformador para Portugal rompendo com esse quadro institucional.

Mas não é isso que está a acontecer.

Claro que não. Mas Portugal não está a ter um programa transformador. Está a ter um governo que conseguiu uma maioria parlamentar com um contexto muito específico, em que se tem um partido, o PS, dentro da maioria parlamentar com larga maioria dos votos e um partido com 10% que não faz o programa – um partido com 10% não faz um programa, tem poder com os seus 10% de viabilizar ou não viabilizar uma solução política, de permitir com isso ou não avanços específicos que travam a direita no seu programa de destruição e terraplanagem dos direitos laborais e de construção do Estado social em Portugal. Portanto o que se passou nas últimas eleições foi uma decisão, à escala dos 10% do BE, para travar o projeto político radical da direita que estava a ser implementado a todo o gás. E essa maioria que hoje existe conseguiu avanços importantes, reverter algumas medidas, muitas, de direita, devolver alguma dignidade a quem trabalhava e trabalha no país, e está a conseguir avanços significativos em algumas áreas. Mas está longe de ser um programa transformador, tanto que não o é que continuamos a ser brutalmente condicionados em investimentos que são importantíssimos para o país – em escolas, saúde, serviço público. E a verdade é que pouco mudou na lei laboral desde que… Nada mudou. Este governo está a fazer coisas importantes – muito fruto da conjuntura e da pressão do BE certamente mas está longe de ter o programa de transformação que o BE tem.

Louça diz que vai ser ministra das Finanças. Diga três medidas que tomaria como tal.

Não seria ministra das Finanças deste orçamento. Nem deste orçamento, nem deste governo, nem desta conjuntura.

Só o país é que era o mesmo.

[ri] Não gosto de fazer essas comparações.

“Os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corzinhas, brinquedos de menina nem cor-de-rosa”

  |  Paulo Alexandrino / Global Imagens

Sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock

Tinha 13 anos quando o BE foi fundado. Se não houvesse BE onde estaria?

Ui. Nunca me fizeram essa pergunta. [reflete] Acho que estaria nos movimentos sociais. Dificilmente algum dos outros partidos me atrairia.

Entrou aos 15 na Associação Jovem para a Justiça e Paz. É ou era o quê?

Acho que já não existe. Era uma associação que em tempos tinha sido uma coisa católica, mas já não era, liderada pela Teresa Cunha, uma ativista feminista de Coimbra.

Coimbra? Mas vivia no Alvito.

Aconteceu porque houve um intercâmbio em Alvito com os putos de uma casa abrigo – ou de uma associação, já não me lembro – e conhecemo-nos assim. Tinham um trabalho engraçado, muito virado para as questões do pacifismo, já com uma base anticapitalista, feminista, antirracista – foi aí que conheci o Pureza [José Manuel], num seminário sobre Direitos Humanos, e o Falcão [José], do SOS Racismo. E foi a minha introdução ao ativismo, à politização.

Mas nasceu numa família hiperpolitizada.

Sim, mas onde por exemplo o feminismo não era a questão mais politizada. Outras seriam.

Os seus pais conheceram-se na Torre Bela [herdade dos Duques de Lafões ocupada a 23 de abril de 1975]. Tal como o seu revolucionário pai (Camilo Mortágua), a sua mãe, que é assistente social e tem menos 21 anos, também andou na revolução. Quer contar alguma coisa sobre esse encontro?

Não sei muito sobre isso. A minha mãe tinha 20 e poucos anos e o meu pai devia ter 50. Ele recomeçou a vida aos 50. Ainda no outro dia estávamos a falar sobre isso lá em casa, essa segunda vida. E a história que sei – às vezes a gente nem sabe se as histórias que sabe são verdadeiras ou se foram romantizadas – é que o meu pai estava na Torre Bela e a minha mãe tinha acabado a faculdade e ia para um estágio no Norte…

Serviço cívico?

Exatamente. Ouviu dizer que tinham ocupado uma herdade e parou para ir ver. E acho que gostou do processo – aliás a Torre Bela é um processo conhecido por isso, imagino que muito atrativo – e ficou. E foi assim.

A Mariana e a gémea Joana nasceram 11 anos depois. Já não são fruto do Processo Revolucionário Em Curso.

Não. Embora lá em casa seja sempre um processo revolucionário em curso.

Porquê?

Porque o meu pai é um permanente revolucionário. Mais que não seja na forma como vai vendo o mundo.

E como vê o facto de a filha – as filhas – estar a viabilizar um governo do PS, a dar a mão ao establishment?

Não sei se isso é dar a mão ao establishment. Não foi feito para isso mas para parar a destruição do país. Ele, como qualquer pessoa de esquerda em Portugal que estava aterrorizada com o que estava a acontecer e a quem de alguma forma incomodava alguma incapacidade de diálogo entre as várias esquerdas, acho que vê a experiência como uma experiência positiva.

Está próximo de algum partido?

Do Bloco. O meu pai está muito envolvido no Bloco. A minha mãe diria que está bastante perto.

Esta entrevista era para ter lugar em casa deles, no Alvito, de onde veio esta semana. Que faz lá?

Para além de comer? [Ri] Alvito é um sítio onde vou pouco mas quando vou nunca quero sair. Gosto muito de estar em casa, a ler ou a trabalhar. É bom para descansar. Chega-se ali, o ritmo cardíaco baixa, tens a planície à tua frente, 40 quilómetros de horizonte. E gosto de me sentar a uma mesa e comer e beber e estar na conversa. No outro dia fui para Alvito e estava num sítio chamado Papa Borregos…

Onde se papam borregos?

Por acaso comem-se uns bons torresmos. É o grupo coral de Papa Borregos. E é sempre isto: sento-me lá a beber uma mini com uns amigos e nunca se sabe como acaba. Porque dentro daquela vila de 1500 pessoas acontecem coisas. Por exemplo, estava lá com os meus pais e apareceu um italiano que estava a filmar o grupo coral e que ia a pé para a Vidigueira. Uma amiga nossa diz “Não vais nada a pé, a gente leva-te”. Em três segundos estava montada uma caravana de três carros para o levar. Só que a caminho da Vidigueira faz-se a roda das tascas de Vila de Frades, vamos parando aqui e ali para provar isto e aquilo. Portanto de um copo no Papa Borregos acabámos à meia-noite na Vidigueira. É assim. As pessoas juntam-se e depois…

Há quanto tempo anda de moto?

Sou uma encartada recente. Aprendi a conduzir já deputada, há quatro anos, por aí. Sempre achei graça a motos, tinha uma Scooter. E quando tirei a carta quis tirar a carta de moto porque, bom, era giro. E hoje não tenho carro – tinha um velho, deu o último suspiro há pouco tempo -, porque andar de carro na cidade é uma forma de stress.

E para o Alvito, também vai de moto?

Sim. Fui para o Porto, para Sines, para o Algarve, Alvito, corri tudo.

Também faz parte da tal recusa das “coisas de menina”?

Se calhar é uma coisa de maria-rapaz, pode ser. Nunca pensei nisso. Mas não gosto de me pôr nessas caixinhas.

Essa expressão, maria-rapaz, tem muito que se lhe diga.

Muitíssimo. Condensa umas 30 500 discriminações e preconceitos. Mas sim, a moto é um objeto normalmente associado ao masculino. O que é uma idiotice. Felizmente isso começa a mudar. Na verdade, os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corezinhas, brinquedos de menina nem cor-de-rosa. Brinquei com bonecas como brinquei com carrinhos. Tinha tudo. Podia ter uma cozinha mas também brincava com pilhas e coisas eletrónicas. Sempre nos foi dado todo o leque de opções.

Estive a ouvir a sua playlist na TSF. Muita música brasileira e latino-americana, alguma portuguesa, menos anglo-saxónica. Tudo muito suave. A Mariana motard de Perfecto de cabedal e All Stars não gosta de sons mais pesados?

Não gosto muito de rock’n’roll. As contradições… Quando saio gosto de dançar, gosto de house e trance. Isso é para dançar – há um estilo de música que gosto de dançar. E há um estilo de música que gosto de ouvir. E não lido bem com muito barulho. É uma chatice, não gosto de rock. Consigo reconhecer que é bom, sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock.

Outra coisa algo surpreendente: fez o caminho de Santiago, há uns anos. Algo que pouca gente esperaria da poster girl da esquerda. O que foi lá fazer?

Passear. E fá-lo-ia outra vez, gostei imenso da experiência. A possibilidade de fazer um caminho a pé e o desafio físico que é esse caminho e conhecer um sítio específico, a Galiza é muito bonita. E as pessoas fazem aquilo por muitas razões: os caminhos em si, por razões místicas, religiosas. E eu conheci toda a gente. Tanto ia conversando com o padre que ia para Santiago como com a excursão de senhoras um bocado como as do filme Fátima [de João Canijo], como ia encontrando pessoas que estavam a fazer aquilo pelo desporto.

Article source: http://www.dn.pt/portugal/entrevista/interior/nao-percebo-por-que-e-uma-polemica-isto-da-porto-editora-8741324.html

Subscrever

Acho que sim. Não sou muito efusiva em geral e isso traduz-se na forma como me comporto socialmente e politicamente.

Há dois anos, disse ao Expresso: “A forma que se permite aos homens e às mulheres é uma questão politica: eles são aguerridos, elas são histéricas. (…) O que me é exigido em termos de razoabilidade e de calma não é exigido à maior parte dos homens.” De que modo é que a noção que tem disto condiciona a forma como fala?

É natural em mim mas também percebo que sendo natural é uma vantagem. Porque não é permitido a uma mulher exaltar-se, levantar a voz e se o fizer tem de ser de uma forma muito específica. E a verdade é que isso aos homens é permitido. Não me parece que faça um esforço particular mas tenho consciência disso o tempo todo.

Já admitiu que grande parte do seu êxito na comissão de inquérito ao BES se deve ao facto de ser mulher e jovem, surpreendendo as pessoas com a sua calma e preparação. Mas há outra coisa: ser bonita. Sente a importância disso?

É uma pergunta difícil, porque a consciência do ser-se bonito vem normalmente de fora. E na verdade não tinha essa consciência até ser confrontada com o que as pessoas pensavam. Nunca tive a consciência de ser uma pessoa particularmente bonita. E apercebo-me de que isso é uma possibilidade a partir do momento em que fora de mim isso é falado. E que isso aparece como um fator. É uma coisa à qual não ligo especial importância, é o que é, mas percebo que tudo conta quando te expões publicamente, sobretudo sendo mulher. Porque nunca é assunto se os políticos homens são bonitos ou não; só se for um homem particularmente bonito. Se não for bonito é só um político. E nas mulheres essa avaliação é feita à partida, não há nenhuma naturalização como há nos homens. Isso vai condicionar a forma como te olham.

E eventualmente a forma como as mulheres aceitam expor-se.

Não sei se esse fator por si só condiciona a decisão de uma mulher. O que sei é que aceitam uma série de outras exigências com as quais um homem não tem de lidar. Começa pela roupa, pelo cabelo. Não consigo dizer o número de vezes que tenho de lidar, mesmo internamente, com opiniões sobre o meu cabelo e a minha roupa. Porque uns querem o cabelo solto, outros querem apanhado, porque acham que estou muito maquilhada, pouco maquilhada, que a minha roupa é x ou devia ser y. E não vejo essa pressão sobre os homens.

Diz “sempre fui muito maria rapaz. Nunca gostei que m colocassem no papel de menina.” Mas foi nesse papel que se sentiu ao entrar na AR: “Tratada com condescendência e superioridade”. Como se reage a isso?

Quando é muito óbvio o que me acontece é ser mais agressiva no debate, ainda mais confrontacional. Mas nem sempre é muito óbvio, e quando não é muito óbvio é mais difícil.

Até porque se reagir a isso de uma forma muito irritada está de alguma forma a validar um estereótipo.

Sim. E é por isso que é sempre uma armadilha. Porque ou se tem de trabalhar mais para provar que se está ali por outras razões que não… Ou se se reagir está-se a validar a ideia da histeria, porque ninguém vai compreender e toda a gente vai criticar, até porque há uma enorme condescendência social com a condescendência dos homens em relação às mulheres, a maior parte das vezes as pessoas nem percebem o que se está a passar, acham que é banalíssimo e não há nenhuma razão para a irritação.

Assunção Cristas acha que Costa a tratou com desrespeito ao tratá-la por “aquela senhora”. Tem razão?

Não vi. Não quero falar sobre algo que não vi ou ouvi. Tenho alguma dificuldade em avaliar quando é que “aquela senhora” é condescendente e quando não é. Porque se diz sempre “a senhora Merkel” e às vezes “o senhor Hollande”, às vezes só “Hollande”.

Ninguém diz “o senhor Trump”.

Ninguém diz. Que possa haver no uso da expressão uma condescendência muito internalizada e muito imperceptível, não nego. Mas depois se é um ato de condescendência ou não depende do tom da forma e contexto. Mas uma coisa é verdade, e não ganhamos nada em negá-la: continua a haver, e é transversal nos partidos políticos, muita condescendência dos homens em relação às mulheres. E que se encontra em todas as bancadas, certamente é verdade. O assunto existe, é real.

Como viu, a propósito, a polémica dos cadernos da Porto Editora?

Sinceramente não percebo porque é que é uma polémica. Não podemos dizer à boca-cheia que não somos sexistas, que queremos uma sociedade livre de sexismo e depois ser altamente permissivos com todas as formas de sexismo, nomeadamente a reprodução de papéis de género que estão na base do sexismo, ainda mais em materiais educativos para crianças de quatro a seis anos. Ou somos brutalmente exigentes com a democracia que queremos ter, sobretudo na educação, ou continuamos a permitir a reprodução destes estereótipos e não podemos querer depois que a sociedade mude. Para mim é tão óbvio isto. Para mim não tem nada a ver com a liberdade de expressão, não tem nada a ver com liberdade literária, artística, de produção, nada a ver. Estamos a falar de materiais educativos. Não é liberdade ter material educativo que seja sexista; não, não é. Tal como não é liberdade ter material educativo que seja racista. Porque nós assumimos enquanto sociedade, e inscrevemos isso na Constituição, e em várias leis e convenções internacionais, que a sociedade em que queremos viver não é racista nem sexista.

Concorda com a recomendação da CIG para a retirada dos materiais, que a Porto Editora acatou?

Lá está: lamento que isto tenha de ser uma polémica. Se a CIG existe tem de ter um papel ativo. E acho que cumpriu o seu papel: identificou material educativo com elementos sexistas e recomendou que fosse retirado. Para que crianças de quatro anos não fossem expostas a um material que achamos que não cumpre os critérios. Se aquele material fosse racista acho que não havia esta polémica. Incomoda-me quando se usaa questão da liberdade de expressão e da liberdade de sociedade para tentar manter opressões. “Porque eu tenho liberdade de ser sexista” – não, não, desculpa, não tens.

Bom, sexista pode-se ser.

Não vou prender ninguém por ser sexista, tem-se a liberdade de o ser. Mas há uma diferença entre a liberdade de ser e a de exercer. E há formas de sexismo que temos de, coletivamente, contrariar – se for isso que decidimos. Se a decisão é continuar a ter uma sociedade sexista, é outraa conversa.

O BE esteve muito calado sobre isto.

Não sei. Se calhar estavam outras matérias em cima da mesa, pode ter sido uma questão conjuntural. Se há campo onde o BE não costuma estar muito calado e onde não tememos polémicas é neste.

Outra polémica na qual se notou o silêncio do BE foi a da assunção da secretária de Estado Graça Fonseca como homossexual. É uma ativista dos direitos LGBT; como viu isso e o debate que se seguiu?

Quem diz que não é importante e usa a célebre frase “eu também não vou para a rua dizer que sou hetero” – bom, para já vão, e toda a gente assume que se é hetero, portanto não há necessidade de dizer… É lógico que essa afirmação é importante para que a sociedade avance e desconstrua preconceitos e nesse sentido acho que o ato da Graça é corajoso e é importante politicamente.

Há quem diga que o chamado “politicamente correcto”, o discurso pela igualdade, de afirmação identitária das minorias, é responsável por fenómenos como Trump e Brexit.

Não tenho nenhuma dúvida de que há uma reação contra os discursos pela igualdade e identidade das minorias. O conservadorismo mexe, defende-se, ataca, reage. É normal que encontre os seus protagonistas e as suas formas de sobrevivênci. Mas acho que aquilo a que assistimos advém de um conservadorismo que sempre existiu aliado a problemas económicos – na sequência da crise, da desilusão com o desempenho económico, do aumento das desigualdades, da pobreza, da precariedade. Tudo isto cria uma sopa, um manancial enorme que é fácil ser explorado e que normalmente é explorado pelas forças mais conservadoras – o conservadorismo que emerge muito frequentemente quando as pessoas sentem que o sistema não lhes dá resposta. E acho que isso é muito claro no caso dos EUA e de Trump. E quem olhar para a Europa e para os EUA com um bocadinho de cuidado verá muitas red flags [sinal de perigo] a abanar, não só por causa da xenofobia, racismo, por causa da regressão dos direitos, mas também por causa do ressurgimento da guerra, que nunca acabou mas hoje parece mais evidente.

Portugal não é xenófobo e racista ou não houve até agora uma força politica q explorasse esse filão?

Portugal é xenófobo e racista, embora goste de viver na ilusão e na narrativa de que não o é, ou de que o é de forma mais suave que noutros países, coisa que não me parece sequer que seja verdade – pode ser uma xenofobia ou racismo mais velado ou menos orgulhosamente exibido – mas a verdade é que está lá, da violência policial aos guetos, à falta de representação e representatividade de uma série de comunidades que existem, existem há muitos anos e são muito importantes em Portugal. E portanto que é xenofobia racista não há nenhumas dúvidas. Por que é que não há um partido de extrema direita em Portugal ou cujo grande programa político seja uma base racista e xenófoba? Acho que há vários motivos para isso. Há uma base muito consolidada histórica do Partido Comunista – e o Bloco também tem esse papel – absorvendo muito do descontentamento das pessoas e não deixando descambar para bodes expiatórios mais fáceis. A esquerda tem esse papel importante e o facto de haver uma esquerda à esquerda do PS consolidada em Portugal ajudou nisso. Acho que a extrema-direita não tem protagonistas para o fazer, e por isso há um PNR que é felizmente irrelevante, e dentro do sistema o aproveitamento que se faz dos temas racistas e xenófobos é oportunístico. O CDS vai lá às vezes – foi lá quando Portugal tinha muito mais imigrantes do que tem hoje, em 2006, 2007, lembramo-nos das campanhas do CDS contra a imigração, contra o RSI -; e vemo-lo agora no PSD, que percebendo que fora de Portugal há uma oportunidade em certo tipo de discurso, começou com um discurso anticiganos aberto e despudorado num candidato autárquico e depois com declarações de Passos Coelho sobre a lei da nacionalidade, com a história de “não pode entrar qualquer pessoa, temos de ser seletivos”, como se Portugal não tivesse enviado toda e qualquer pessoa para todos os países possíveis e imagináveis, não é?

Com o recente ataque em Barcelona vimos Portugal a preparar-se visivelmente, com a colocação de barreiras nas zonas pedonais. Como vê esta quase banalidade do terrorismo na Europa?

Já houve outros tempos em que a Europa teve mais terrorismo, talvez. É um fenómeno muito complexo, porque mexe com aquilo que nos é mais caro – a segurança, a liberdade. É uma daquelas matérias em que temos de ser muito racionais, e não nos deixarmos levar pelos instintos mais básicos, da proteção a todo o custo. Porque na verdade isso nem sempre é proteção. E há muitas formas de olhar para a questão do terrorismo. A primeira, que me parece importante, é que precisamos de proteção e segurança, é óbvio, mas quando deixamos que essa necessidade de proteção e segurança mexa com a nossa liberdade, a liberdade que queremos para a sociedade, estamos a dar pontos a quem nos ataca. A entrar num jogo de restrição de liberdades que nos tornam se calhar muito menos parecidos com a sociedade que afirmamos querer defender. E por isso acho que é preciso sangue frio para não ceder a esse medo que nos querem impor, porque não podendo invadir territorialmente invade-se maximizando o alcance e os estilhaços de cada ato e tornando-o tão mediático quanto possível… E isso cria uma ideia de permanente insegurança e permanente terror que é o que eles querem. E essa batalha é difícil de ganhar e entendo que ela não se ganha colocando cidades inteiras em estado de sítio nem populações inteiras sob vigilância permanente.

Foi notícia há muito pouco tempo que PGR e MAI admitem que as câmaras de vigilância de rua gravem som. Como olha para isso?

Olho a partir de 1984. Acho que não podemos permitir uma invasão de liberdade desse nível. Para já, a existência de câmaras de vigilância na rua, para começar, é uma matéria que não me parece que devêssemos aceitar. E depois estar permanentemente a ser vigiado com a possibilidade de estarem a ouvir as nossas conversas pessoais e privadas… Ultrapassa qualquer limite do razoável. Não entendo em que é que a segurança aumenta com ouvir as conversas na rua. A questão aqui é básica: os cidadãos não devem admitir que na cidade onde vivam estejam a ser controlados 24 horas por dia. Isto mexe com princípios básicos de liberdade de movimento, de expressão, de direito ao anonimato, à privacidade. Não devemos permitir isto. Quando se abre esta porta onde é que se fecha?

Que tipo de regime defende para Portugal? Há ou houve algum no mundo que esteja perto do que almeja? Por outras palavras, como seria Portugal governado pelo BE?

Não gosto de fazer esses exercícios porque a história é dinâmica e dialética e as sociedades também. Não se criam sociedades em laboratório, são sempre produto de muitas transformações, e uma sociedade em que o BE tivesse maioria seria necessariamente uma sociedade diferente da que existe hoje. Portanto é difícil para mim imaginar o que é um regime perfeito. Há critérios que acho que são importantes e norteiam um bocadinho a ação política do BE: justiça fiscal, controlo sobre setores estratégicos da economia, liberdades individuais. Há todo um conjunto de matérias que são conhecidas, e são programa do Bloco, e que acho que aproximariam muito Portugal de um projeto ou um ideal, caro à esquerda, de justiça e desenvolvimento social e económico. Mas não quero fazer comparações porque não defendo nenhum regime – para já não defendo nenhum regime dos chamados ditos do “comunismo real”.

Existe algum?

Não. Acho que todos eles deixaram há muito tempo o que seria sequer um ideal, quanto mais real. Angola não é um sítio que respeite sequer princípios de democracia, China não é, Cuba não é, a Venezuela tem dado passos muito perigosos para deixar de ser…

Alguma vez foi?

Acho que teve momentos. Houve um programa que quando existiu desafiava muito os poderes instalados, a interferência externa que existe e sempre existiu dos EUA na Venezuela e na América Latina em geral, que desafiava muito as grandes corporações e multinacionais . E grande parte da oposição que o governo da Venezuela teve desde o início, no princípio do Chavez, tem a ver com ter desafiado os poderes instalados e ter querido de facto mudar alguma coisa em favor da população da Venezuela.

Mas havia ali desde o início uma tentação autocrática muito grande.

Mas eu não julgo tentações, julgo atos. E acho que apesar de tudo houve avanços muito importantes no programa de Chavez, em termos de literacia, de retirada de pessoas da pobreza – é preciso perceber o que eram estes países antes. E o que foram sob domínio estrangeiro e das multinacionais, como as pessoas viviam. O problema começa quando não se rompe com a corrupção do Estado. E não se rompe com a monocultura do petróleo – e isso é o princípio do fim, depois agudizado quando perante uma crise de legitimidade económica e social, a resposta de Maduro, já não de Chavez, é autoritária e de restrição de liberdades – e isso é a tal tentação que não é admissível. E para acabar a resposta sobre se acho que há um algum regime… A tendência que há para sacrificar a democracia em nome dos amanhãs que cantam é o princípio da destruição dos amanhãs que cantam. Portanto nada e em nada a democracia pode ser sacrificada. E se eu tenho um projeto para o país ele terá de ser sempre um projeto maioritário. Se não é um projeto maioritário, não é um projeto que sirva o país. E isso tem de ser ponto assente. Mas não há, e não é bom haver, uma cartilha artificial, digamos assim.

A que ponto a debacle do Syriza e lição de realismo que implicou foi importante na decisão do BE de viabilizar um governo do PS?

Acho que o Syriza e o Bloco estavam em situações muito diferentes, para começar. E acho que pelo contrário, o que aconteceu ao Syriza não demonstrou ao Bloco que se deveria conformar e ser realista e existir dentro do quadro. Acho que demonstrou ao Bloco a verdadeira natureza das instituições europeias e a forma como só poderemos de facto ter um programa transformador para Portugal rompendo com esse quadro institucional.

Mas não é isso que está a acontecer.

Claro que não. Mas Portugal não está a ter um programa transformador. Está a ter um governo que conseguiu uma maioria parlamentar com um contexto muito específico, em que se tem um partido, o PS, dentro da maioria parlamentar com larga maioria dos votos e um partido com 10% que não faz o programa – um partido com 10% não faz um programa, tem poder com os seus 10% de viabilizar ou não viabilizar uma solução política, de permitir com isso ou não avanços específicos que travam a direita no seu programa de destruição e terraplanagem dos direitos laborais e de construção do Estado social em Portugal. Portanto o que se passou nas últimas eleições foi uma decisão, à escala dos 10% do BE, para travar o projeto político radical da direita que estava a ser implementado a todo o gás. E essa maioria que hoje existe conseguiu avanços importantes, reverter algumas medidas, muitas, de direita, devolver alguma dignidade a quem trabalhava e trabalha no país, e está a conseguir avanços significativos em algumas áreas. Mas está longe de ser um programa transformador, tanto que não o é que continuamos a ser brutalmente condicionados em investimentos que são importantíssimos para o país – em escolas, saúde, serviço público. E a verdade é que pouco mudou na lei laboral desde que… Nada mudou. Este governo está a fazer coisas importantes – muito fruto da conjuntura e da pressão do BE certamente mas está longe de ter o programa de transformação que o BE tem.

Louça diz que vai ser ministra das Finanças. Diga três medidas que tomaria como tal.

Não seria ministra das Finanças deste orçamento. Nem deste orçamento, nem deste governo, nem desta conjuntura.

Só o país é que era o mesmo.

[ri] Não gosto de fazer essas comparações.

“Os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corzinhas, brinquedos de menina nem cor-de-rosa”

  |  Paulo Alexandrino / Global Imagens

Sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock

Tinha 13 anos quando o BE foi fundado. Se não houvesse BE onde estaria?

Ui. Nunca me fizeram essa pergunta. [reflete] Acho que estaria nos movimentos sociais. Dificilmente algum dos outros partidos me atrairia.

Entrou aos 15 na Associação Jovem para a Justiça e Paz. É ou era o quê?

Acho que já não existe. Era uma associação que em tempos tinha sido uma coisa católica, mas já não era, liderada pela Teresa Cunha, uma ativista feminista de Coimbra.

Coimbra? Mas vivia no Alvito.

Aconteceu porque houve um intercâmbio em Alvito com os putos de uma casa abrigo – ou de uma associação, já não me lembro – e conhecemo-nos assim. Tinham um trabalho engraçado, muito virado para as questões do pacifismo, já com uma base anticapitalista, feminista, antirracista – foi aí que conheci o Pureza [José Manuel], num seminário sobre Direitos Humanos, e o Falcão [José], do SOS Racismo. E foi a minha introdução ao ativismo, à politização.

Mas nasceu numa família hiperpolitizada.

Sim, mas onde por exemplo o feminismo não era a questão mais politizada. Outras seriam.

Os seus pais conheceram-se na Torre Bela [herdade dos Duques de Bragança ocupada a 23 de abril de 1975]. Tal como o seu revolucionário pai (Camilo Mortágua), a sua mãe, que é assistente social e tem menos 21 anos, também andou na revolução. Quer contar alguma coisa sobre esse encontro?

Não sei muito sobre isso. A minha mãe tinha 20 e poucos anos e o meu pai devia ter 50. Ele recomeçou a vida aos 50. Ainda no outro dia estávamos a falar sobre isso lá em casa, essa segunda vida. E a história que sei – às vezes a gente nem sabe se as histórias que sabe são verdadeiras ou se foram romantizadas – é que o meu pai estava na Torre Bela e a minha mãe tinha acabado a faculdade e ia para um estágio no Norte…

Serviço cívico?

Exatamente. Ouviu dizer que tinham ocupado uma herdade e parou para ir ver. E acho que gostou do processo – aliás a Torre Bela é um processo conhecido por isso, imagino que muito atrativo – e ficou. E foi assim.

A Mariana e a gémea Joana nasceram 11 anos depois. Já não são fruto do Processo Revolucionário Em Curso.

Não. Embora lá em casa seja sempre um processo revolucionário em curso.

Porquê?

Porque o meu pai é um permanente revolucionário. Mais que não seja na forma como vai vendo o mundo.

E como vê o facto de a filha – as filhas – estar a viabilizar um governo do PS, a dar a mão ao establishment?

Não sei se isso é dar a mão ao establishment. Não foi feito para isso mas para parar a destruição do país. Ele, como qualquer pessoa de esquerda em Portugal que estava aterrorizada com o que estava a acontecer e a quem de alguma forma incomodava alguma incapacidade de diálogo entre as várias esquerdas, acho que vê a experiência como uma experiência positiva.

Está próximo de algum partido?

Do Bloco. O meu pai está muito envolvido no Bloco. A minha mãe diria que está bastante perto.

Esta entrevista era para ter lugar em casa deles, no Alvito, de onde veio esta semana. Que faz lá?

Para além de comer? [Ri] Alvito é um sítio onde vou pouco mas quando vou nunca quero sair. Gosto muito de estar em casa, a ler ou a trabalhar. É bom para descansar. Chega-se ali, o ritmo cardíaco baixa, tens a planície à tua frente, 40 quilómetros de horizonte. E gosto de me sentar a uma mesa e comer e beber e estar na conversa. No outro dia fui para Alvito e estava num sítio chamado Papa Borregos…

Onde se papam borregos?

Por acaso comem-se uns bons torresmos. É o grupo coral de Papa Borregos. E é sempre isto: sento-me lá a beber uma mini com uns amigos e nunca se sabe como acaba. Porque dentro daquela vila de 1500 pessoas acontecem coisas. Por exemplo, estava lá com os meus pais e apareceu um italiano que estava a filmar o grupo coral e que ia a pé para a Vidigueira. Uma amiga nossa diz “Não vais nada a pé, a gente leva-te”. Em três segundos estava montada uma caravana de três carros para o levar. Só que a caminho da Vidigueira faz-se a roda das tascas de Vila de Frades, vamos parando aqui e ali para provar isto e aquilo. Portanto de um copo no Papa Borregos acabámos à meia noite na Vidigueira. É assim. As pessoas juntam-se e depois…

Há quanto tempo anda de moto?

Sou uma encartada recente. Aprendi a conduzir já deputada, há quatro anos, por aí. Sempre achei graça a motos, tinha uma Scooter. E quando tirei a carta quis tirar a carta de moto porque, bom, era giro. E hoje não tenho carro – tinha um velho, deu o último suspiro há pouco tempo -, porque andar de carro na cidade é uma forma de stress.

E para o Alvito, também vai de moto?

Sim. Fui para o Porto, para Sines, para o Algarve, Alvito, corri tudo.

Também faz parte da tal recusa das “coisas de menina”?

Se calhar é uma coisa de maria-rapaz, pode ser. Nunca pensei nisso. Mas não gosto de me pôr nessas caixinhas.

Essa expressão, maria-rapaz, tem muito que se lhe diga.

Muitíssimo. Condensa umas 30 500 discriminações e preconceitos. Mas sim, a moto é um objeto normalmente associado ao masculino. O que é uma idiotice. Felizmente isso começa a mudar. Na verdade, os meus pais não entraram nessa brincadeira das meninas e dos meninos. Não havia cá corezinhas, brinquedos de menina nem cor de rosa. Brinquei com bonecas como brinquei com carrinhos. Tinha tudo. Podia ter uma cozinha mas também brincava com pilhas e coisas eletrónicas. Sempre nos foi dado todo o leque de opções.

Estive a ouvir a sua playlist na TSF. Muita música brasileira e latino-americana, alguma portuguesa, menos anglo-saxónica. Tudo muito suave. A Mariana motard de Perfecto de cabedal e All Stars não gosta de sons mais pesados?

Não gosto muito de rock”n”roll. As contradições… Quando saio gosto de dançar, gosto de house e trance. Isso é para dançar – há um estilo de música que gosto de dançar. E há um estilo de música que gosto de ouvir. E não lido bem com muito barulho. É uma chatice, não gosto de rock. Consigo reconhecer que é bom, sei que desiludo muita gente, mas gosto muito mais de música clássica do que de rock.

Outra coisa algo surpreendente: fez o caminho de Santiago, há uns anos. Algo que pouca gente esperaria da poster girl da esquerda. O que foi lá fazer?

Passear. E fá-lo-ia outra vez, gostei imenso da experiência. A possibilidade de fazer um caminho a pé e o desafio físico que é esse caminho e conhecer um sítio específico, a Galiza é muito bonita. E as pessoas fazem aquilo por muitas razões: os caminhos em si, por razões místicas, religiosas. E eu conheci toda a gente. Tanto ia conversando com o padre que ia para Santiago como com a excursão de senhoras um bocado como as do filme Fátima [de João Canijo], como ia encontrando pessoas que estavam a fazer aquilo pelo desporto.

Article source: http://www.dn.pt/portugal/entrevista/interior/nao-percebo-por-que-e-uma-polemica-isto-da-porto-editora-8741324.html

This weekend’s Orlando Pride proved a safe, beautiful, and bittersweet event. Looking at the vibrant, resilient lives on display, especially seeing the survivors of the Pulse nightmare and victims’ famlies, has me feeling hopeful — and relieved.

That’s partly because I had a nightmare that there was a shooting at Orlando Pride. More than 49 people were killed this time. I ran for cover, then tried to chase down the gunman. As I approached, he was beheaded and we were all safe. When I looked again, though, he had suddenly come back to life. 

As nightmares go, it was frightening on its own. Even worse, I knew the shooting would happen. 

In each subconscious scene before the Pride parade, I found myself in an everyday, group setting: brunch at a café, riding in an elevator, chatting in the office break room. I was surrounded by friendly faces talking trivialities while I thought about the impending attack. Yet I said nothing.

I don’t want to interrupt, my dream self thought.

So I stood there with lifesaving information, very aware that what I knew was infinitely more important than any conversation. When I woke up, it wasn’t the mass murder that terrified me most. It was my own silence. 

I’ve wanted to write something about the shooting since it happened. But filming L.A. Pride the same day for The Advocate and covering the aftermath full-time left me little room to delve into how I felt. Even so, I made time to hear from my queer friends in Orlando, my hometown. Some called me in tears because their parents were oblivious to their suffering. Some of their parents were actively expressing homophobic views to them just days after the massacre.

I have an Orlando friend with an angelic voice who sang in a Catholic choir there. Three hours after the murders at Pulse, she was in church for rehearsal. The group leader asked if anyone had something they wanted to pray about, and she requested that they pray for the victims. Then she added, “It’s kind of strange because I don’t know how the church feels about gay people.” Her choir leader said, “We love them … I just wouldn’t throw a parade for them.”

Ain’t that the truth. 

We can “love” gay people, send thoughts and prayers after they’ve been murdered, but still vote for someone whose hateful rhetoric inspired more than 200 incidents of harassment in the first 72 hours after he was elected — and who never visited Pulse, even when within miles for a campaign rally.

The other nightmare I have yet to speak about is the election. I’ve been silent on social media, and I’ve yet to discuss the election with my Christian mother, who voted for him, in Orlando.

Ironically, she texted me an image that said “The phrase ‘do not be afraid’ is written in the Bible 365 times. That’s a daily reminder from God to live every day being fearless.”

She’s right. We do need reminders to be fearless. 

Especially now that hate crimes have spiked, suicide hotlines are ringing off the hook, and for the first time since the Pulse shooting in June, I’ve driven home from work in tears. I’ll need 1,460 reminders to be fearless now, Mom. That’s how many days we’ll have President Trump.

With this election, we know something bad is going to happen. It’s already started. He may not have personally punched a gay person or shouted the n word at students or told children they will be deported because they speak Spanish, but people are invoking his name to do all that and more. A symbol of hatred is more dangerous than any single person or president. It wasn’t just a vile person who won last Tuesday; permission for vile behavior won.

Because I’m white, cisgender, straight-passing, and live in Los Angeles, I can only imagine the anguish felt now by people of color, trans folks, and immigrants living in a red state. But because I am queer, I feel a blanket of impending oppression not-so-slowly settling over my community.

Welcome to the new constant, clausterphobic anxiety that can’t be released because “it” hasn’t happened yet. And we don’t yet know what “it” will be, though we’re sure it’s coming.

When I think about talking to my mom or about what I should say to anyone about Trump, I’m reminded of my Orlando choir friend. She came out to her religious, conservative parents the day after Pulse. She thought about the families of the Pulse victims having to find out their child was gay and that their child was dead at the same moment. She thought, That could have been me. She was two blocks away that night.

My friend so easily could have reacted in fear and gone deeper into the closet. But instead she marched up to her parents’ home and broke the silence. She reacted to that tragedy with love.

I want to react to our new national nightmare with love too. Nearly one week later, I still don’t know how. The most radical thing I can do now, for starters, is break my silence and talk to my Trump-supporting mother. I don’t know what to say, but I have hope that one day we’ll find the spirit of this weekend’s Orlando Pride, and we’ll have stories to share about how we found love out of tragedy.

ALLISON TATE is a video producer for The Advocate. Contact her @allisonfilms on Twitter or via her Facebook page. Watch more of her films for The Advocate and PRIDE.

Article source: https://www.advocate.com/commentary/2016/11/14/election-reminds-me-my-pulse-nightmare

As the foremost presenter of first-class touring Broadway productions throughout North America, Broadway Across America (BAA) announced today that they are now operating in 44 markets in North America. After more than 20 years of presenting touring Broadway in Salt Lake City in partnership with MagicSpace Entertainment, BAA will be acquiring MagicSpace Entertainment’s Broadway-presenting business in Albuquerque, Boise, Fresno and Salt Lake City. With the addition of these new markets, including adding Dallas to the BAA network in 2017, BAA now has more than 400,000 subscribers.

“We are thrilled to expand our reach and offer audiences the best of Broadway in the southwest and western U.S. states including Utah, New Mexico, Idaho and California,” says John Gore, Owner and CEO of BAA’s parent organization, The John Gore Organization. “We look forward to continue working with MagicSpace’s veteran leadership team, including Steve Boulay and John Ballard, to provide exciting programming and best-in-class services for all subscribers, groups and single ticket buyers.”

“We are delighted to be rejoining John Gore’s world-class Broadway Across America family. John Ballard and I have worked closely as partners and colleagues with the entire BAA team for 20+ years and see this renewed relationship as an excellent opportunity to continue expanding the Broadway series we have worked so hard to build in these great markets,” says Steve Boulay COO/Co-Owner MagicSpace Entertainment.

As part of the acquisition, Bruce Granath, MagicSpace Entertainment’s longtime head of marketing will become BAA’s VP, Mountain Region. Bruce and his team will continue to be based in Salt Lake City as BAA’s 13th regional office in North America.

Article source: http://www.broadway.com/buzz/189250/broadway-across-america-to-acquire-magicspace-entertainments-broadway-presenting-business/

RuPaul’s Drag Race is a hit show seen all around the world, but when it comes to some of the most memorable phrases from the series, the lines can be lost in translation.

Any Drag Race viewer knows the phrases “shantay you stay” and “sashay away,” but if you asked a fan in Portugal what Mama Ru says when she asks the girl to leave the stage after their lip sync you might get a different answer.

Twitter user Phi_lipi, who is based in Lisboa, Portugal, alerted RuPaul and Michelle Visage that when Ru says the iconic “sashay away” line, in Portuguese it is translated to: “Bye, go home, no one loves you.”

Being asked to leave the Drag Race runway is hard enough, but then to have Ru tell you no one loves you? That is harsh. If no one loves you how you gonna love yourself?

This translation is rough, but these Drag Race girls better grow a thick skin before they are sent out into the shade-filled world—and you know they heard worse in the reading challenge.

RuPaul’s Drag Race Season 9: RuVealed airs Thursdays at 8/7c on Logo.

Article source: http://www.newnownext.com/rupauls-drag-race-sashay-away-portugese/07/2017/


A Warner Bros. Interactive Entertainment lançou nessa terça-feira (29) um trailer de Terra-média: Sombras da Guerra mostrando a Tribo dos Saqueadores, uma facção de orcs que se especializou em saquear e se banquetear com qualquer conquista, deixando apenas carcaças e ossos para trás.

Em Sombras da Guerra, os Orcs pertencem a tribos, que ampliam sua influência através dos Soberanos que governam as fortalezas em todo o mundo aberto, fornecendo um rico ecossistema de missões, exploração e uma sociedade dinâmica com diversas culturas, todas trazidas à vida pelo sistema nêmesis expandido. Para a Tribo dos Saqueadores, as batalhas são apenas um prelúdio para a ação real – brindando o poder do Senhor das Trevas com o sabor doce do grog.

Ambientado durante os eventos que se desenrolam entre O Hobbit e O Senhor dos Anéis, Terra-média: Sombras da Guerra é um RPG de ação com mundo aberto que continua a saga iniciada em Terra-média: Sombras de Mordor.

Os jogadores serão absorvidos por um mundo mais rico, único e expansivo cheio de heróis e vilões épicos, locais icônicos, inimigos originais com personalidades variadas e um novo elenco de personagens com histórias que serão desenvolvidas a cada gameplay.

O game será totalmente localizado em português, com edições especiais para o Brasil, e estará disponível para Xbox One, Xbox Box One X, PC (Windows Store e Steam), PlayStation 4 e PlayStation 4 Pro a partir de 10 de outubro.

Confira no vídeo a seguir o que espera o jogador ao enfrentar a Tribo dos Saqueadores em Terra-média: Sombras da Guerra 

Article source: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/suplementos/tecno/online/conheca-os-orcs-da-tribo-dos-saqueadores-de-terra-media-sombras-da-guerra-1.1812531

When an anarchist shows up at your protest and hijacks it for their own cause, which is, obviously, anarchy, then you tell them to cut those shenanigans out. This isn’t their rally. This is a rally for… 

And here’s where we ought to supply an answer. Because protests have to be for something.

Otherwise, we end up with the scene last week in Portland, Ore., where a gang of anarchists smashed windows as the petty right wing pointed and said, See, this is who they really are.

No, who we really are is the GoFundMe page raising money to fix everything the anarchists broke. In much the same way, when Donald Trump is gone in four or eight years, it will be us left to reassemble a country shattered by chaos.

We can stop Trump from breaking so much of what we hold dear if we first seriously contemplate what we want, in the context of all the terrible that is about to happen. With Republicans poised to take control of all three arms of legislating — the House, Senate, and presidency — we must access the full power and pessimism of our imaginations to foresee what’s about to unravel. Let’s transport ourselves to some day in 2017 when we are complaining that those pesky Republicans didn’t give anyone time to debate privatization of Medicare. They just did it. We will all wake up one morning and discover it’s the day Medicare died. 

That’s how it happened in North Carolina. Gov. Pat McCrory called a special session of the legislature, and in the span of a single day, the state passed a repeal of antidiscrimination ordinances that had protected LGBT people. There was no warning. It’s a reminder that the time to protest is now, before our rights are undone.

Don’t listen to those asking that we give Trump a chance; it’s only a chance to destroy. It doesn’t matter that Hillary Clinton won the popular vote, not to them. What matters is how fast the wonks can race through the aisles of some GOP backroom and grab as many old policies from the shelves and then sprint them toward the new president’s desk. 

In the minds of Republicans, it doesn’t matter that they lack a mandate; they expect to hold on to power forever if only they can pass all their harebrained ideas and finally prove how awesome they are. They realize these policies are unpopular. But they can feel it in their bones, that if you just get a taste of health care savings accounts, you’re going to like them so much better than actual health care.

Did Donald Trump campaign on privatizing Medicare? No, but Paul Ryan did. He always does. Ryan prefers the term “entitlement reform,” because everyone is against a sense of entitlement until they realize he means Social Security and Medicare. 

“Medicare has got some serious issues because of Obamacare,” Ryan told Fox News last week, without citing any evidence. “So those things are part of our plan to replace Obamacare.”

In fact, Obamacare has nothing to do with Medicare, except extending its solvency with the efficiency it created. But if we know anything for sure about President Trump, it’s that he paid someone to write The Art of the Deal. He doesn’t care about any law so deeply that he’d save it from the deal-making table. 

Speaker Ryan claims to detest Trump’s Muslim ban, for example. So if Trump getting to “temporarily” — also known as “indefinitely” — bar people from entering the country based on their religion can be accomplished only by selling out our seniors, then he’ll do it. 

So maybe when an anarchist picks up a brick, you grab his arm and say, no, that isn’t going to help us win support for Medicare. 

I’m just using Medicare as a placeholder. But feel free to go even grander, with something more conceptual, like peace. 

All that worry about Trump having control of the nuclear arsenal ought to still exist even after he’s won. Actually, shouldn’t we be more worried?

But I doubt we’ll go straight from a manageable state of constant war (which we are in now) directly to nuclear bombs dropping. There would need to be a ramp-up. Use your imagination to see how Trump will get caught in escalating aggression toward Iran or at first Yemen, under the guise of fighting ISIS and terrorists. It’s not too soon to rev up those peace protests, instead of waiting until Trump sends your friends and family overseas. By then, Trump will start calling protests un-American and unsupportive of the troops. And it will be too late.

The voters in Trumpland don’t see any of this coming. And because some, I assume, are good people, they didn’t expect the more than 200 episodes of hate attacks that the Southern Poverty Law Center reported in the first 72 hours after Trump won, either. 

All they’ve heard is that America is going to be great, truly great, and then they’ve interpreted that into their own lives however best it fits. Maybe they’ve got a new car. Maybe they’ve made a down payment on a house. The possibilities are endless. But they didn’t fully contemplate their son or daughter being sent to fight a new enemy or their grandma losing her Medicare. 

We already know they weren’t too bothered by the prospect of minorities losing their civil rights. That didn’t factor in. It didn’t matter how loudly minorities warned that Trump is a racist xenophobe who uses sexism to wield his power. Really, we couldn’t have made it any more clear.

So, don’t go around protesting “Not My President” all the time, because the Trump voters already know that. They picked their president, and they’re quite proud of themselves. 

Protest for all the things you want to keep. Call on Republicans to drop the bricks they’re ready to rip through our safety net and our civil rights. Be in favor, be involved, and do it before we find ourselves watching the vandals run wild.

Conservatives think we’re all wasting our time with these protests. The knee-jerk reaction from those who are so galled by the live video of dissent in the streets is to claim it’s all meaningless, that Trump will be president no matter how many people show up in however many cities. 

They don’t get it. They wonder, why would anyone protest unless it’s to remove someone from office? Maybe that’s how they protest. But it’s not how civil rights were won or voting rights or funding for AIDS research.

A mantra is finally emerging the longer the protests go on. With every night of resistance, the message is honed. “Show me what community looks like!” chanted the leader at a massive rally this weekend in Los Angeles. Hundreds answered, “This is what community looks like!”

And then, “The people — united — will never be defeated!”

LUCAS GRINDLEY is editorial director for Here Media. Contact him @lucasgrindley on Twitter or via his page on Facebook. Read his previous columns for The Advocate.

 

 

Article source: https://www.advocate.com/commentary/2016/11/15/protests-have-be-something

Azzurri di Gloria è una testata giornalistica quotidiana
registrata presso il Tribunale di Alessandria il 20/06/2016
Num. RG 1013/2016 – Numero registro stampa: 39
Direttore responsabile: Luca Lovelli

Article source: https://www.azzurridigloria.com/news-nuoto/pellegrini-budapest-fede-dio-mio/

Parte il countdown della nuova stagione sportiva dell’Editalia Sicurezza Eraclio C5 che, il 21 agosto, sarà chiamato alla ripresa degli allenamenti sotto l’attenta guida di coach Vaccariello.

Prima di annunciare quello che sarà il roster che prenderà parte al prossimo campionato di Serie C1, il sodalizio barlettano ci tiene comunque a ringraziare tutti gli atleti che non faranno più parte del progetto. Salutano infatti, Di Palma, Severino, Bailon, Salvemini, Delvecchio, Stella e Pavone, ai quali vanno i ringraziamenti per il contributo alla causa e le migliori fortune in campo professionale ed umano.

Sarà dunque un’Editalia Sicurezza Eraclio rinnovata, ma che al tempo stesso non potrà prescindere da alcune conferme importanti, che saranno ufficializzate nei prossimi giorni.

Article source: https://www.barlettaviva.it/sport/tempo-di-addii-e-ripartenze-in-sette-salutano-l-eraclio-c5/

Crece la popularidad de Pocoyo en Brasil. La compañía Zinkia Entertainment cerró un acuerdo de Master Agent con la empresa brasilera Dogs Can Fly Licensing, para encargarse del licensing y merchandising de la marca Pocoyo en Brasil.

“Estamos muy satisfechos con la evolución que ha experimentado Pocoyo en Brasil y especialmente con su penetración en las plataformas digitales”, afirmó Alberto Delgado, consejero delegado de Zinkia.

Es que la serie animada cuenta hoy en día con 1,18 millones de seguidores y 1000 millones de visualizaciones en YouTube en el mercado brasilero.

“Desde el año 2014 el número de reproducciones en YouTube ha crecido un 800%, pasando de una media de cuatro millones de visionados mensuales a 40 millones en el mes de abril”.

El acuerdo entre las compañías comprende la gestión en exclusiva de los derechos de la marca para la comercialización de productos en las categorías de juguetes, textil, editorial, cuidado de la infancia, Meet Greet, entre otros.

Dogs Can Fly Licensing también se encargará de la gestión de actividades promocionales y publicitarias basadas en la serie.

Pocoyo es una marca que los niños brasileños adoran, con excelentes resultados desde el punto de vista comercial y una audiencia muy buena durante años”, añadió Zé Henrique Caldas, VP de Licensing y Distribution en Dogs Can Fly Licensing.

Con una cuota del 65% de la audiencia del total de la marca en el territorio, el canal Pocoyo – Português (BR) se mantiene como líder en el mercado de Brasil.

“La marca inicia una nueva etapa de la mano de Dogs Can Fly Licensing, con muchas novedades y un plan de desarrollo que ya ha sido acogido con gran expectación por parte del mercado”, resaltó Caldas.

Las temporadas de la serie y otros contenidos interactivos están disponibles en Brasil a través de otras plataformas digitales como Netflix, iTunes o las apps Pocoyo Play House, Play Kids y Vivo Play Kids (la última apuesta de Telefónica para el público infantil brasilero).

Article source: http://www.todotvnews.com/news/Zinkia-Entertainment-cierra-acuerdo-de-Master-Agent-con-Dogs-CanFly-Licensing-.html

On the brink of the first World War, The Ottoman Lieutenant tells the story of a strong-willed American woman (Hilmar) who, frustrated by ongoing injustices at home, follows an American doctor (Hartnett) to a medical mission in the exotic Ottoman Empire.  However, her loyalty to both the doctor and the mission’s founder (Kingsley) is soon tested when she falls in love with Ismail (Huisman), a lieutenant in the Ottoman Imperial Army.  With the invading army forces at their doorstep and the world about to plunge into war, she soon realizes that the most dangerous place to be during war, is in love.

The film is directed by Joseph Ruben (Sleeping with the Enemy) from a screenplay by Jeff Stockwell (Bridge to Terabithia).  

For artwork, please log onto our website at www.ushepublicity.com

Universal Website: http://uni.pictures/TOL
Trailer: http://uni.pictures/TOLTrailer
Movie Website: http://theottomanlieutenant.com/#/
Facebook: https://www.facebook.com/theottomanlieutenant/
YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=X6K_M2FL71w
Twitter: https://twitter.com/theottomanlieut
Instagram: https://www.instagram.com/theottomanlieutenant/
#TheOttomanLieutenant

FILMMAKERS:
Cast:  Michiel Huisman, Hera Hilmar, Josh Hartnett, Ben Kingsley, Haluk Bilginer
Directed By:  Joseph Ruben
Produced By:  Stephen Joel Brown, Alinur Velidedeoğlu, Güneş Çelikcan, Merve Zorlu, Yusuf Esenkal, Serdar  Öğretici
Co-Producer:  Michael E. Steele
Written By:  Jeff Stockwell
Executive Producers:  Ron Bareham, William Stuart, Anthony J. Lynn, Raif Inan
Edited By:  Nick Moore, Dennis Virkler A.C.E.
Director of Photography:  Daniel Aranyó A.E.C.
Music By:  Geoff Zanelli
Casting By:  Francine Maisler, Melissa Kostenbauder
Costume Designer:  Joanna Eatwell
Production Designer:  Luca Tranchino

TECHNICAL INFORMATION BLU-RAYTM:
Street Date: August 1, 2017
Copyright: 2017 Universal Pictures Home Entertainment
Selection Number: 61188843 (US)/61188848 (CDN)
Layers: BD-50
Aspect Ratio: 2.40:1
Rating: R for some war violence
Languages/Subtitles: English SDH, Spanish, French, Italian, Turkish subtitles
Sound: English DTS-HD Mater Audio 5.1, Spanish, French, Italian and Turkish DTS Digital Surround 5.1
Run Time: 1 hour, 51 minutes

TECHNICAL INFORMATION DVD:
Street Date: August 1, 2017
Copyright: 2017 Universal Pictures Home Entertainment
Selection Number: 61188845 (US)/ 61188849 (CDN)
Layers: Dual Layer
Aspect Ratio: Anamorphic Widescreen 2.40:1
Rating: R for some war violence
Languages/Subtitles: English SDH, Spanish, French, Portuguese, Cantonese, Mandarin and Thai subtitles
Sound: English, Spanish, French and Portuguese Dolby Digital 5.1
Run Time: 1 hour, 51 minutes

ABOUT UPHE CONTENT GROUP
Headquartered in London, UPHE Content Group is a repertoire center of Universal Pictures Home Entertainment, acquiring and producing multi-genre entertainment for distribution across theatrical, home entertainment, television and digital platforms on a worldwide basis. UPHE Content Group is part of Universal Pictures Home Entertainment, which is a unit of Universal Pictures, a division of Universal Studios (universalstudios.com). Universal Studios is a part of NBCUniversal, one of the world’s leading media and entertainment companies in the development, production and marketing of entertainment, news and information to a global audience. NBCUniversal owns and operates a valuable portfolio of news and entertainment television networks, a premier motion picture company, significant television production operations, a leading television stations group, world-renowned theme parks and a suite of leading Internet-based businesses. NBCUniversal is a subsidiary of Comcast Corporation.

CONTACT:
Universal Pictures Home Entertainment
Rebecca Wolfson
Rebecca.Wolfson@nbcuni.com

 

To view the original version on PR Newswire, visit:http://www.prnewswire.com/news-releases/from-universal-pictures-home-entertainment-the-ottoman-lieutenant-300474095.html

SOURCE Universal Pictures Home Entertainment

Related Links

https://www.uphe.com

Article source: http://www.prnewswire.com/news-releases/from-universal-pictures-home-entertainment-the-ottoman-lieutenant-300474095.html

A Proteção Civil de Macau registou este domingo oito feridos ligeiros, 16 inundações e 107 incidentes causados pela passagem do tufão Pakhar, o segundo a atingir o território em quatro dias.

Estes números contrastam com o rasto de destruição deixado pelo Hato, na passada quarta-feira, que causou pelo menos 10 mortos e mais de duas centenas de feridos e danos avultados ainda por avaliar.

Os incidentes registados hoje pelo Centro de Operações de Proteção Civil (COPC) de Macau prendem-se com a queda de objetos que ficaram suspensos devido à ação do Hato, disse o coordenador do COPC, Ma Io Kun, numa conferência de imprensa sobre o balanço dos trabalhos de limpeza e recuperação do território.

Turistas viram ruas alagadas e pouco mais antes de ‘correrem’ centro histórico
A dimensão dos estragos do tufão Hato por Macau, o mais forte em 50 anos, ‘escapou’ ao olhar dos poucos turistas que antes de ‘correrem’ o centro histórico do antigo enclave português viram, pelo caminho, ruas alagadas e pouco mais.

Anne Shen e Iris Gu deixaram o hotel em Coloane pouco depois de o sinal 8 de tempestade tropical ser substituído pelo 3 (ainda em vigor) diretamente para o Leal Senado, no ‘coração’ da cidade, aproveitando a tarde — após uma manhã perdida — para ver pela primeira vez Macau.

Com o tempo a dar uma aberta, após intensos aguaceiros, as duas turistas, oriundas de Xangai, caminham com cuidado, de guarda-chuva e máquina fotográfica na mão, pela calçada portuguesa em direção às Ruínas de S. Paulo, património classificado pela UNESCO.

“Viemos no ‘shuttle’ do hotel. Chegamos ontem [sábado] e estávamos com medo porque lemos as notícias de que um novo tufão [Pakhar] estava a caminho, mas depois de umas horas passou. Quando decidimos vir passar o fim de semana a Macau ainda foi antes de chegar o primeiro [o Hato], que sabemos que causou mortos e danos”, conta Anne Shen à agência Lusa.

Tempestades levam ao cancelamento de concurso de fogo-de-artifício
Os Serviços de Turismo de Macau anunciaram hoje o cancelamento do Concurso Internacional de Fogo-de-Artifício, devido aos estragos provocados pelo tufão Hato, que atingiu a cidade na quarta-feira, seguido do Pakhar, hoje.

Além deste concurso, foi anunciado o cancelamento de vários eventos, como o Concurso de Design do Troféu, o Concurso de Fotografia e o Arraial do Fogo-de-Artifício, entre outros.

A 29.º edição do Concurso Internacional de Fogo-de-Artifício ia contar com a participação portuguesa do Grupo Luso Pirotecnia.

“Devido aos danos nas vias de circulação e infraestruturas causados pela passagem do tufão, os transportes públicos e marítimos, abastecimento de água e eletricidade, e serviços de restauração, ainda não voltaram à normalidade, com todos os recursos da cidade ainda concentrados nos trabalhos de socorro pós-calamidade”, indica um comunicado dos Serviços de Turismo.

Por este motivo, apelam “aos visitantes com pretensão de viajar para Macau em breve para analisarem e reavaliarem os seus planos”.

Os Serviços de Turismo já tinham anunciado que pediram às agências de viagem locais que suspendessem a vinda de grupos até dia 30.

O tufão Hato, o mais forte em meio século, matou dez pessoas e deixou mais de 200 feridas.

Pelo menos três operadoras de jogo de Macau doam um total de 12,6 ME à cidade
Pelo menos três operadoras de jogo de Macau — MGM, Galaxy e Melco — anunciaram doações equivalentes a 12,6 milhões de euros, para ajudar nos trabalhos de recuperação e apoio à população, após o devastador tufão Hato.

O universo da Galaxy Entertainment anunciou uma doação de 60 milhões de dólares de Hong Kong (6,43 milhões de euros), “incluindo 30 milhões [de dólares de Hong Kong] da Fundação do Galaxy Entertainment Group, mais uma equivalente contribuição de 30 milhões da família Lui, para apoiar os trabalhos de auxílio às pessoas de Macau”, de acordo com um comunicado enviado hoje pelo presidente da Galaxy, Lui Che Woo.

“Na quarta-feira (…) o tufão Hato, o mais poderoso e destrutivo tufão em mais de meio século, desceu rapidamente sobre Macau e causou amplos danos e significativas dificuldades aos seus cidadãos”, indica o comunicado, que refere que as instalações da Galaxy ficaram danificadas, mas “apenas ferimentos menores foram relatados”.

“Quero expressar as minhas sinceras condolências às famílias e amigos das pessoas que morreram e aos cidadãos que sofreram ferimentos em resultado da devastadora destruição trazida por dois tufões”, diz ainda Lui.

Por seu lado, a Melco Entertainment anunciou que criou um fundo de 30 milhões de patacas (3,12 milhões de euros) para apoiar “os funcionários, a comunidade e os trabalhos de recuperação no rescaldo do tufão Hato em Macau”.

A empresa suspendeu a construção do seu novo hotel Morpheus, de modo a poder desviar dois mil trabalhadores para as tarefas de recuperação da cidade durante este fim de semana.

Uma equipa de 2.500 voluntários da Melco e trabalhadores da construção foi também formada para ajudar a limpar destroços, distribuir garrafas de água e apoiar com necessidades urgentes da população, segundo a empresa.

“Este é o pior tufão que Macau viu em mais de meio século. A Melco e eu, pessoalmente, estamos 100% comprometidos em partilhar os nossos recursos coletivos para ajudar a cidade e as suas gentes a conseguir uma rápida e total recuperação da ordem”, indicou o presidente executivo da Melco, Lawrence Ho.

A MGM anunciou valor semelhante, 30 milhões de patacas. A forma como o dinheiro será distribuído “será decidida nos próximos dias e meses, com a orientação do Governo de Macau”, com as necessidades dos funcionários da operadora e das suas famílias a serem “consideradas e incluídas na alocação de fundos”.

“As minhas condolências às pessoas de Macau, em nome de toda a família MGM. A nossa empresa experienciou e ultrapassou desafios semelhantes no passado e comprometo-me a disponibilizar todos os recursos da família MGM para uma recuperação total. Pela nossa experiência vai levar tempo, mas a MGM vai estar ao pé do Governo e das pessoas de Macau”, sublinhou o presidente da norte-americana MGM Resorts International, da qual a MGM China é subsidiária, Jim Murren.

Article source: http://www.cmjornal.pt/cm-ao-minuto/detalhe/macautufao-oito-feridos-16-inundacoes-e-107-incidentes-a-passagem-do-pakhar

Graça Fonseca, secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, é uma pessoa reservada. É a própria que o diz na entrevista ao Diário de Notícias em que assume a sua homossexualidade. «Só dei uma entrevista de fundo até esta. Prezo muito a minha vida privada, é o meu espaço de liberdade. E quem tem vida pública precisa desesperadamente de vida privada. É o reduto de segurança, onde ninguém pode tocar», sublinhou.

Não conheço ninguém para quem assumir a homossexualidade não fosse um ato de coragem. Graça Fonseca certamente preferia manter o seu reduto sem brechas – teve a força de o fazer por saber que tinha de usar o exemplo do cargo público que ocupa para, roubando-lhe de novo as palavras, «abrir mentalidades». Uma decisão que, garantiu, é «política». Na entrevista, usa uma expressão que, a meu ver, sintetiza o seu ato. A «empatia».

Mesmo que não se concorde com a decisão de se levantar o véu da vida privada, desvalorizar e ignorar o ato de Graça Fonseca não só é um argumento paupérrimo como mostra um desconhecimento até patético do que é não ser aceite por quem se é. De ter que esconder a orientação sexual, a religião, de ser discriminado pela cor da pele.

Graça Fonseca deu mais um passo nesta coisa que é a aceitação e respeito pleno pelo outro. Fê-lo numa altura em que o ódio no mundo, em vez de encolher, floresce. Floresce não – é um verbo com demasiada esperança para usar na mesma frase. Em que o ódio alastra, qual mancha de petróleo.

Veja-se Charlottesville. Veja-se Barcelona. Veja-se o ataque à discoteca Pulse, em Orlando. Todos eles atos de ódio por motivos diferentes, todos iguais na hora de não respeitar a opção do outro.

Num outro mundo, aquele a que Graça deu mais um tijolo para construir, seria principalmente lembrada pelo seu percurso político e por ter montado um mecanismo na câmara de Lisboa, que levou depois para o país, e que, na minha opinião – e numa altura em que a política é, para tantos, algo tão distante – é um dos mais interessantes instrumentos de participação da sociedade civil na construção do espaço, o orçamento participativo.

Agora, Graça Fonseca vai ser também recordada como a primeira governante a assumir a homossexualidade depois de entrar em funções. Que a sua mensagem de empatia nos ajude a construirmos um lugar onde ser gay, preto, católico, branco ou muçulmano não faça notícia.

Hannah Hart got drunk in 2011 and tried to make grilled cheese in a parody cooking tutorial to cheer up a friend across the country. She posted it on YouTube and within 48 hours, the video went viral. “My Drunk Kitchen” was born.

Hart continued getting drunk and making videos, quickly gaining popularity on YouTube with her puns and boozy banter. After Anderson Cooper came out, Hart shared her own coming out story in a raw, uncut video on YouTube. Since then, she’s become a rising queer role model for LGBT youth. 

I was one of those kids. Now an intern with The Advocate, I had the opportunity to interview my icon. Icould hardly keep my cool. There were lots of laughs, smiles, and one dream come true. To get started, I asked Hart some of your everyday warm up questions like, “Do you sleep with your socks on?”

 

After we got the brain warmed up, we dove into the hard-hitting questions about getting older, feeling comfortable in your own skin, and being a queer icon for LGBT youth.

 

 

 

 

To wrap things up, we played a friendly game of would-you-rather…

 

 

 

To see more of Hannah Hart’s videos, go to www.youtube.com/harto and catch her with the rest of the Holy Trinity — Grace Helbig and Mamrie Hart — in their new movie Dirty 30. It’s now available on DVD exclusively at Target and in Digital HD on iTunes. Hart’s new book Buffering: Unshared Tales of a Life Fully Loaded is available online and in stores everywhere.

Article source: https://www.advocate.com/media/2016/10/28/punny-ever-hannah-hart-discusses-her-new-book-and-gay-role-dirty-30

Non ci sono dubbi, è la VAR il protagonista assoluto di questo inizio di campionato: dopo lo storico primo rigore assegnato dalla nuova tecnologia, contro la Juve nel match con il Cagliari, la storia si è ripetuta ieri a Marassi, ancora a discapito dei bianconeri. Per non parlare poi del Benevento, che, sotto di 1-0 in casa con il Bologna, si è visto annullare per fuorigioco la rete del pari siglata addirittura all’ottavo minuto di recupero. L’occhio elettronico è entrato di prepotenza nel mondo del calcio e sta suscitando reazioni contrastanti. Tra i contrari all’utilizzo della nuova tecnologia c’è Gianluigi Buffon, portiere della Juventus e della nazionale italiana.

«Genoa-Juventus è stata una partita da zero rigori, perchè nel calcio i contatti ci sono, esistono, e non vuol dire che ogni contatto deve essere un penalty – ha dichiarato ai microfoni di Premium Sport il numero uno bianconero – Voglio chiarire che quello che sto dicendo va a mio discapito, perchè faccio parte di una squadra forte e le squadre forti attaccano spesso e hanno molti rigori a favore. L’anno scorso abbiamo avuto 3 rigori a favore in 38 partite, se continuiamo a fare questo uso della Var noi quest’anno ne avremo 55 e secondo me è una follia. Liberiamo gli arbitri da questo mostro, l’uso della VAR non giova a nessuno».

Article source: http://www.diariopartenopeo.it/notizie-italia/notizie-sportive-italiane/27/08/2017/juventus-buffon-contro-la-var/